11/07/2015 - “Espero que o PMDB fique, a cada hora, mais distante do PT”

Em passagem por Cuiabá, na noite da última quinta-feira (9), o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), afirmou que espera que seu partido e o PT caminhem cada vez mais distantes um do outro. 

“O PMDB, a cada dia que passa, fica mais distante do PT. Esperamos que fique, a cada hora, ainda mais diante e, de preferência não volte a estar junto com PT”, disse. 

A declaração de Cunha foi dada durante o lançamento da 10ª edição do Circuito Aprosoja, realizada no Cenarium Rural e que reuniu lideranças de Mato Grosso e representantes do segmento do agronegócio. 

Na ocasião, o presidente da Câmara afirmou ainda que, a ideia de distanciamento entre o PMDB e o PT é defendido por outros peemedebistas. 

Cunha afirmou que, mesmo o PMDB estando na base do governo da presidente Dilma Rousseff (PT), inclusive sendo o vice-presidente, Michel Temer, filiado à sigla, não significa que o partido tenha que concordar com as teses defendidas pelos petistas. 

“Apenas temos a responsabilidade com a governabilidade do Governo, da qual o PMDB faz parte da chapa. Mas, isso não quer dizer que temos que mergulhar nas teses equivocadas do PT”, afirmou. 

Ainda conforme o presidente, o governo federal como um todo foi “arrastado” pela impopularidade do Partido dos Trabalhadores. 

“A impopularidade do PT é muito maior que a impopularidade do Governo. O Governo foi arrastado pela impopularidade do PT”, disse. 

“Os pontos que o PT defende não são os mesmos defendidos pelo PMDB”, completou Cunha. 

Em entrevistas recentes, Cunha já havia defendido inclusive, que a aliança entre os dois partidos não se repita em 2018, já que, segundo ele, o modelo entre PMDB e PT está “esgotado”. 

O presidente também comentou, durante visita a Cuiabá, sobre as recentes e polêmicas votações realizada na Câmara dos Deputados. 

Ele afirmou que não vê qualquer tipo de boicote em relação a sua pessoa, já que, segundo ele, os temas considerados polêmicos têm sido debatidos e votados. 

“Todos os temas polêmicos andaram, eu não vejo boicote. Acho que quem está sendo boicotado são aqueles adeptos do atraso, aqueles que não querem debater os temas que a sociedade quer”, disse. 

“Se você, quando coloca uma reforma política, que ninguém tinha conseguido colocar, e o resultado sai adverso até do que as vezes você pensa em alguns temas, não significa que você tenha sido derrotado na sua posição. Significa que nós conseguimos colocar o debate e a maioria se formou em cima de um tese e venceu”, completou. 

Segundo Cunha, o Legislativo precisa funcionar, mantendo a independência e a harmonia com os demais poderes, sem contudo, deixar de corrigir as “distorções do país”. 

“O Congresso, para funcionar, não precisa que o Executivo esteja em crise. Acho que está funcionando e isso ocorre porque há vontade política. Todos os comandantes do Congresso estão dispostos a fazê-lo funcionar como deve ser. A democracia não pode ter um poder Legislativo subjugado ao Executivo”, finalizou o presidente. 

 

 

Camila Ribeiro 

Da Redação

Comentários

Data: 12/07/2015

De: eleitor

Assunto: corrupção

Ta certo, taca-lhe pau no PTTTTT.

Novo comentário