11/09/2015 - Deputados discutem em sessão por conta de faltosos

11/09/2015 - Deputados discutem em sessão por conta de faltosos

A sessão ordinária desta quinta-feira (10), na Assembleia Legislativa, foi marcada por um longo bate-boca entre alguns parlamentares, por conta da reiterada falta de quórum no Legislativo. 

A pauta esta “trancada” para apreciação dos vetos do Governo e, enquanto isso, a Assembleia não pode votar nenhum projeto que tramita na Casa.

Ocorre, no entanto, que as constantes faltas dos parlamentares às sessões têm prejudicado a votação de vetos que se arrastam desde 2007. 

Na última terça-feira (8), por exemplo, sequer houve sessão, em razão da ausência dos deputados. 

“Já ‘gazeteamos’ a sessão na terça-feira. Hoje, novamente, estamos com dificuldade em dar quórum para realizar os trabalhos legislativos. A pauta tem 17 vetos para serem apreciados e nós não conseguimos”, afirmou o líder do Governo, deputado Wilson Santos (PSDB). 

“É justo o cidadão, mais uma vez, desembolsar dinheiro para pagar sessão que não existe? Isso não é justo com cidadão, com eleitor. Fomos até as casas dessas pessoas pedir voto, dissemos que íamos trabalhar, produzir, que éramos diferente. Mas, o que mais se vê aqui é verificação de quórum, sessão encerrada, sessão levantada”, completou. 

O deputado Zé Carlos do Pátio, por sua vez, afirmou que o líder do Governo precisa cobrar a presença em plenária da parte da bancada governista, sugerindo que estes seriam os parlamentares mais faltosos. 

Pery Taborelli (PV) também se manifestou e disse que a ausência dos deputados tem se repetido em todas as sessões. 

“Estamos aqui com o painel marcando a presença de 15 deputados e nem mesmo estes estão todos aqui em plenário, cumprindo seus deveres”, afirmou. 

Fabris: “compromissos vão além do plenário” 

O deputado Gilmar Fabris (PSD) subiu na tribuna e cobrou uma melhor definição das pautas de votações.

“A Casa sempre tem 15, 16 deputados presentes. Ocorre que isso sempre foi assim e sempre será, seja aqui, seja no Congresso Nacional, em todas Assembleias do Brasil que eu conheço é assim. O deputado não tem compromisso somente no plenário”, disse, ao afirmar que os parlamentares também atendem suas bases no interior do Estado. 

Ele ainda afirmou que as pautas a serem tratadas nas sessões precisam ser mais bem definidas no Colégio de Líderes (reuniões semanais entre os deputados). 

“Essa lavação de roupa tem que ocorrer no Colégio de Líderes. Definir quando a gente vai votar os vetos, saber quais serão as discussões da semana. Pelo que eu vejo, não está tendo rendimento, não tem pauta, fala todo mundo, discute assunto que não é necessário. Pra mim, pior do que não vir à sessão é vir e não ter produtividade”, disse. 

O líder do Governo ainda voltou à tribuna e disse que os deputados devem atender suas bases nos dias em que não são realizadas as sessões legislativas, que acontecem as terças-feiras (a noite), quartas (de manha e a noite) e às quintas (pela manhã). 

Por fim, ele ainda afirmou que irá propor ao presidente da Casa, que a presença dos parlamentares só seja válida a partir da ordem do dia (momento das votações), já que, segundo ele, muitos chegam à sessão, registram presença e vão embora. 

“Marcar presença e ir embora, isso não. Tem que ser presença da mesma forma como é no Congresso Nacional”, finalizou.

 

 

Camila Ribeiro 
Da Redação

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário