12/01/2014 - Bancada de MT gasta R$ 1,9 mi em verba indenizatória; Eliene é o líder

quadro10.jpg

 Despesas incluem passagens áreas, hospedagem, telefonia e combustível

Em 2013,  os oito deputados  federais por  Mato Grosso gastaram quase R$ 1,9 milhão da Cota para Exercício da Atividade Parlamentar (CEAP), que equivale à verba indenizatória e é destinada para custear, por exemplo, passagens aéreas, telefonia, serviços postais, hospedagem, locação e fretamento de veículos, combustíveis e alimentação. Eliene Lima (PSD), que é o coordenador da bancada do Estado, foi o que mais utilizou o benefício.

 Para a manutenção do mandato,  Eliene  gastou no ano passado R$ 352,5 mil. O valor equivale a R$ 29,3 mil por mês. Somente em dezembro,  ele utilizou  R$ 67,1 mil. No mesmo mês, o que menos fez uso da cota foi Carlos Bezerra (PMDB) com  R$ 11,7 mil.

 Apesar de no último mês de 2013 o peemedebista ter sido o mais “econômico”, ele não foi o que mais poupou durante os 12 meses. Bezerra usou R$ 335,3 mil ano passado. O que menos usufruiu da cota foi o deputado Wellington Fagundes (PR), que gastou R$ 226,1 mil. Ságuas Moraes (PT), que assumiu a vaga do falecido Homero Pereira (PSB), e Roberto Dorner (PSD), que substituiu o mensalereiro Pedro Henry (PP), não tiveram a totalidade do CEAP.

 Comparação

 O gasto de Eliene fica um pouco acima dos R$ 25 mil mensais que os 25 vereadores por Cuiabá receberam em 2013 de verba indenizatória. Somado,  o benefício mensal chega ao montante de R$ 625 mil, ou R$ 7,5 milhões no ano. Acontece que em  outubro do ano passado,  a desembargadora Maria Erotides determinou a redução da verba dos vereadores para R$ 18,9 mil.

Os parlamentares, no entanto, entraram com recurso. Além da verba indenizatória, eles  recebem R$ 15 mil de salário. Sem a diminuição, os vereadores receberiam todos os meses R$ 40 mil. Com a alteração,  passariam a ganhar R$ 33,9 mil, ou seja, menos R$ 6,1 mil mensais.

 

Victor Cabral