12/05/2014 - Taques: "Atraso do VLT se deve à mentira e incompetência"

O senador Pedro Taques (PDT), pré-candidato ao governo do Estado, ainda não tem planos definidos sobre o que faria com a obra do VLT, caso vença as eleições de outubro. 

Taques foi questionado sobre o assunto durante entrevista ao programa "Conexão Poder", da TV Rondon (SBT). Ele disse que seria "leviano" afirmar qualquer coisa sem conhecer a fundo os meandros do contrato da obra - mas previu que o modal só estará pronto, a continuar no ritmo atual, em 2017. 

"Não vai terminar. Todos nós sabemos. Não tem nem 100 metros de trilho. Mentiram para o cidadão; falaram que era para a Copa. Ou foi incompetência?", questionou.

O senador afirmou que, antes de saber o que será feito, é preciso saber detalhes sobre o modal. 

"Quanto foi pago? Qual é o contrato? Como vai ser o sistema de concessão? Quanto vai custar a passagem? Vai precisar de subsídio das prefeituras de Várzea Grande e de Cuiabá? Ninguém pode ser irresponsável pra dizer o que fazer, e seria muita presunção minha, a cinco meses das eleições, dizer o que será feito por quem for eleito em outubro de 2014", afirmou. 

O senador lembrou que, em 2012, houve até propaganda eleitoral por parte do grupo governista e criticou a atuação do governo no andamento da obra. 

"Para mim, foi um misto de mentira e incompetência. Porque em meados de 2012 chamamos técnicos do Crea e da UFMT e fomos mostrar os estudos ao governador Silval Barbosa. Os técnicos queriam fiscalizar a obra e diziam, lá atrás, que não ficaria pronta e que era inviável", disse.

Taques avalia que faltou ao governo priorizar as coisas. "Não fica pronto para a Copa, não fica pronto no ano que vem; são R$ 1,4 bilhão para 22 km de trilhos; não dá para falar [se termino ou não], seria muita veleidade (Intenção pouco firme ou dificilmente realizável, fantasia) da minha parte", disse. 

 

DO REPÓRTER MT

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário