13/01/2014 - Dirigente chama Daltinho de “sujo” e defende expulsão do Solidariedade

O recém-criado Solidariedade já enfrenta crise interna. O dirigente Rodrigo Rodrigues promete pedir a expulsão do deputado estadual Adalto de Freitas, o Daltinho, na reunião entre as lideranças da agremiação que deve acontecer na próxima semana. 

 

Segundo Rodrigo, Daltinho agiu de forma sorrateira ao tentar destituir o ex-prefeito de Rondonópolis Zé do Pátio da função de secretário-geral do partido, além de mudar a indicação do tesoureiro Manoel da Força Sindical. “Demos confiança ao Daltinho, porém, ele foi sujo”, disparou em entrevista ao RDNews.

 

O conflito iniciou quando  Daltinho foi a Brasília e, em conversa com o Diretório Nacional, tentou destituir Zé do Pátio e Manoel da Força. Entre as propostas do parlamentar, estava a nomeação da recepcionista do gabinete para o cargo de tesoureira com objetivo de controlar os recursos que seriam enviados para as eleições deste ano.  “O Daltinho acha que o partido em Mato Grosso vai receber  R$ 2 milhões.  Por isso, tentou a  manobra”, argumenta Rodrigo.

 

Desconfiado da atitude de Daltinho, o presidente nacional do Solidariedade, deputado federal Paulinho da Força Sindical, comunicou a regional sobre a tentativa de destituir os dirigentes. Rodrigo afirma ainda, que outra trapaça do deputado foi registrar o nome do filho, que também chama Adalto, como presidente estadual do partido. “Só não sei a intenção do Daltinho em colocar o seu filho como presidente, mas vou descobrir o motivo dessa outra manobra”, enfatiza.

 

Depois de tomar conhecimento doss fatos, Rodrigo argumenta que encontrou outros motivos para que Daltinho seja expulso do partido. O membro do Solidariedade ressalta que vários processos correm contra o parlamentar e que a sigla não pode ter líderes ficha suja. “Ele responde a processo da Lei Maria da Penha por agredir a esposa e outro por ter roubado gado da própria mãe” salienta.

 

Esta não é a primeira vez que Daltinho se envolve em polêmica partidária.  Quando estava no PMDB, o deputado era considerado rebelde pelos caciques do partido ao disparar s críticas ao governo do Estado quando subia na tribuna da Assembleia. O comportamento fez com que o PMDB pedisse o retorno da então secretária de Turismo Teté Bezerra (PMDB) à Assembleia para “expulsar” Daltinho do Legislativo.

 

Outro Lado

A reportagem tentou ouvir a versão do deputado Daltinho sobre as denúncias de Rodrigo Rodirgues.  Até a publicação da matéria, o parlamentar não retornou as ligações.

 

Tarso Nunes

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário