13/08/2011 - 08h:55 BR 163: Índios cobram reunião com Dnit

Mesmo ainda sem estar definido o nome que ocupará o cargo deixado pelo ex-diretor geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Luiz Antonio Pagot, o cacique Megaron Txucarramãe, líder de várias etnias na região do Xingu, disse que na próxima semana irá solicitar ao órgão o agendamento de um encontro entre o departamento e representantes das aldeias Kakakubem, Karoroti e Omeikrakum e Fundação Nacional do Índio (Funai).

“Vou na próxima semana pedir que marquem essa audiência com a Funai e os representantes das três aldeias. Eles têm que marcar data para receber a Funai [de Colíder] lá em Brasília”, assegurou.

“Eles fizeram negócio com a Funai, dividiram o que já tinha liberado e agora têm que resolver esse problema, pois as aldeias não podem ficar sem receber o dinheiro que eles prometeram”, frisou Megaron.

O encontro servirá para tratar sobre o repasse de recursos às aldeias Kakakubem, Karoroti e Omeikrakum, referentes à compensação ambiental pelos danos causados com o asfaltamento da BR-163 até Santarém (PA). As três etnias estão localizadas na região sul do Pará, e, segundo o cacique, não estão recebendo o dinheiro desde 2009, quando o acordo entre índios, Dnit e Funai foi efetivado.

A reunião entre índios e governo deveria ter acontecido no início do mês passado, nos dias 7 e 8, porém, as denúncias de superfaturamento e cobrança de propina, que culminaram em exonerações do órgão, inclusive de Pagot, acabaram por forçar a suspensão do encontro.

Agora, as etnias querem uma solução para o problema, que, para garantir a reunião, realizaram protestos em Colíder onde, em junho, interditaram a prefeitura e ameaçaram bloquear a BR-163.

O fim da pavimentação da BR-163 é aguardado há décadas em Mato Grosso, sobretudo pelo contingente produtor agropecuário, para ser utilizada como meio mais rápido a atingir o porto de Santarém, para escoar a produção.