13/08/2015 - Deputado admite aumento da folha da AL mesmo com reforma

O vice-presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (PSB), admitiu um aumento na folha de pagamentos dos funcionários do Poder Legislativo em R$ 1,5 milhão, em relação a 2014.

O acréscimo foi criticado, na semana passada, pelo líder do Governo na Assembleia, deputado Wilson Santos (PSDB). Ele, no entanto, afirmou que o aumento foi de R$ 3 milhões.

Assim que assumiu o comando da Mesa Diretora, o deputado Guilherme Maluf (PSDB) exonerou mais de 800 funcionários. 

No entanto, segundo Botelho, mais da metade foi recontratada. Além disso, ele apontou que o aumento foi devido à convocação de novos efetivos, além de progressões salariais.

“Houve um aumento natural, graças à reposição salarial. Foram chamados diversos comissionados e efetivos. E o salário dos efetivos não é baixo. Além disso, tiveram algumas progressões de pessoas que tinham direito ao benefício. Então, foram várias situações que levaram a esse aumento na folha”, disse.

Segundo o parlamentar, a nova Mesa Diretora pegou, em janeiro, uma folha em R$ 18 milhões e conseguiu reduzi-la para R$ 11 milhões com a reforma administrativa.

“Se não fizéssemos nenhuma mudança, com a folha de janeiro em R$ 18 milhões, estaríamos gastando com salário de funcionário algo em torno de R$ 20 milhões. No entanto, hoje não gastamos mais que R$ 14 milhões”, afirmou.

O deputado ainda observou que, nos últimos meses da gestão passada, com a Mesa Diretora sob o comando do ex-deputado José Riva (PSD) e do deputado Romoaldo Junior (PMDB), a Assembleia teve um gasto considerado excessivo com folha de pagamento.

“Houve um aumento muito grande da folha, nos últimos seis meses da gestão passada. Fizemos uma redução para cortar o que havia sido feito. Mas houve as progressões naturais, como a reposição, progressão de salário e isso ocasionou esse aumento natural”, disse.

Auditoria 

Eduardo Botelho ainda informou que uma auditoria deverá ser feita na folha de pagamento da Assembleia, com o objetivo de apurar eventuais irregularidades. 

A auditoria, segundo ele, foi um dos pedidos do Ministério Público do Estado.

“O Ministério Público pediu que fosse feito uma auditoria na folha. Segundo o órgão, há suspeitas da existência de funcionários fantasmas. Mas nós não temos conhecimento disso. E nada mais justo do que fazer uma auditoria e saber o que realmente há”, afirmou.

“Isso será feito em breve. Estamos fazendo a da URV e, assim que terminarmos, iremos começar a auditoria na folha. A da URV é mais urgente, porque foram suspensos os pagamentos”, completou.

Críticas

Na semana passada, Wilson Santos afirmou que a folha de pagamento da Assembleia sofreu um acréscimo de aproximadamente R$ 3 milhões em 2015.

“A Casa avançou nesses primeiros meses, mas precisa avançar muito mais. Existem ações a serem concretizadas. A questão da folha de pagamento, por exemplo. Eu tenho informações de que a folha já está superior ao ano passado. Como explicar isso?”, questionou.

Ele afirmou que irá cobrar compromissos firmados pela Mesa antes mesmo da eleição que definiu o comando do Legislativo.

Entre os pontos, segundo o deputado tucano, está a prestação de contas de toda a movimentação financeira da gestão.

 

 

Douglas Trielli 

Da Redação

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário