13/12/2014 - Agronegócio 'puxa' cidade de MT para o 10º lugar no PIB per capita do país

Levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou o município mato-grossense de Campos de Júlio, localizado a 692 km de Cuiabá, na região Oeste de Mato Grosso, como o detentor do décimo maior Produto Interno Bruto (PIB) per capita do país em 2012. Naquele ano, que serviu de base para o estudo, para cada um dos 5.494 habitantes a economia do município gerou R$ 167.736,94 em riqueza, segundo calculou o IBGE.

Dentre os 10 primeiros PIB per capita do país, o de Campos de Júlio é o único representante do Centro-Oeste. O topo do ranking é ocupado por Presidente Kennedy (ES), com PIB per capita de R$ 511.967,24. Entre o líder capixaba e o representante mato-grossense, na lista estão os municípios de Louveira (SP), Confins (MG), Triunfo (RS), Quissamã (RJ), São Gonçalo do Rio Abaixo (MG), Anchieta (ES), Porto Real (RJ) e Araporã (MG).

O Produto Interno Bruto (PIB) é um cálculo desenvolvido para avaliar o status de uma determinada economia dentro de um período de tempo, somando a movimentação financeira gerada pelo consumo das famílias, pelos gastos do governo, pelos investimentos privados e pelo saldo da balança comercial. O PIB per capita é basicamente a divisão dessa riqueza pelo número de habitantes do local.

Economia agrícola
No caso de Campos de Júlio, a economia tem sido impulsionada pelos investimentos privados, pelo consumo e pela movimentação comercial gerada pela atividade agropecuária, segundo o prefeito Dirceu Martins Comiran (PSD).

O prefeito explicou que o município se localiza em uma região de topografia privilegiada para a agricultura e tem, de fato, experimentado crescimento razoável ano a ano graças à implementação de novas tecnologias no campo e à diversificação da produção rural.

Além dos rebanhos bovinos e das extensões de lavouras dedicadas à soja, o município tem variado a produção com algodão, girassol e feijão, por exemplo. Outras produções significativas têm sido as de milho e de cana-de-açúcar, que abastecem uma usina de etanol em funcionamento durante todo o ano na região. Outra produção que tem se destacado na região é a de eucalipto, também industrializado no local.

 

Campos de Júlio

Para sustentar esta economia, afirma o prefeito, Campos de Júlio e os demais municípios da região há anos clamam por auxílio do governo estadual com infraestrutura das estradas para escoamento da produção. Comiran explica que estradas estaduais têm recebido manutenção com recursos de municípios devido à inércia do estado em resolver os gargalos de sua responsabilidade. Um exemplo disso é a rodovia MT-388, ligação entre Campos de Júlio e Nova Lacerda, para a qual prefeitos de ambas as cidades têm pedido asfaltamento.

“Nós temos uma topografia muito boa para a produção, temos energia abundante. O que nós precisamos é da força do governo. O restante, o agricultor faz”, declarou o prefeito.

Além de Campos de Júlio, a produção agrícola – atualmente a principal vocação econômica de Mato Grosso – também foi responsável por inserir outros 13 municípios na lista dos 100 maiores PIB per capita do país. São eles: Santa Rita do Trivelato (13°); Itiquira (18°); Alto Taquari (28°); Sapezal (31°); Ipiranga do Norte (43°); Santo Antônio do Leste (61°); Nova Ubiratã (65°); Campo Novo do Parecis (77°); Nova Mutum (81°); Alto Araguaia (93°); Querência (95°); Diamantino (98°); e Nova Maringá (100°).

 
 
Escrito por Renê Dióz Do G1 MT

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário