14/01/2015 - Obras em estradas de MT são suspensas

14/01/2015 - Obras em estradas de MT são suspensas

Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística paralisou as obras em 10 rodovias estaduais, suspendeu, por 90 dias, a reconstrução e reforma de menos 50 pontes de madeira distribuídas por Mato Grosso, além dos serviços de manutenção de estrada não pavimentada que somam 1.104 quilômetros e afetam diretamente dez municípios e fazem parte do projeto MT Integrado.

Segundo o gestor da pasta, Marcelo Duarte Monteiro, a ação cumpre o Decreto nº 2 assinado pelo governador Pedro Taques, que determinou a suspensão dos pagamentos de contratos firmados pela administração pública anterior.

A decisão foi publicada no Diário Oficial que circulou no dia 09 deste mês e tem como objetivo a análise das referidas obras. Monteiro ressaltou que os contratos não foram paralisados, uma vez que as obras já não estavam sendo executadas desde o ano passado sob a alegação de falta de recursos. “A nossa intenção é retomar as execuções e proporcionar à população uma infraestrutura digna. Realizamos um estudo prévio que aponta algumas obras como sendo prioritárias e este é analisado pelo governador”. Ele disse também que está ciente da precariedade das pontes do Estado. Questionado se existe a possibilidade da existência de irregularidades nos contratos, o secretário disse que ainda é cedo para afirmar, também não descarta a hipótese.

“Queremos saber se o que foi pago foi cumprido pelos contratantes e, para isso, montamos uma equipe especialmente voltada para o estudo minucioso dos contratos”. Ele acrescenta que se após este estudo for constatado vícios, medidas serão tomadas. “A Ouvidoria, Procuradoria e outros órgãos da mesma linha serão acionados para nos auxiliar e se alguém estiver devendo ao Estado, este terá que prestar contas”.

Monteiro diz que este é apenas o primeiro passo de sua gestão, pois atualmente a secretaria não tem nenhum levantamento que aponte a quantidade firmada de contratos em andamento.

“Não temos ideia de quantos sejam, só sabemos que é um número bem alto e pretendemos colocar tudo em pratos limpos para que medidas cabíveis sejam tomadas. Para executar obras precisamos saber o valor delas e se temos o recurso em caixa. É tudo mais complexo do que parece”.

Como ainda não se sabe da quantia de contratos em aberto, o secretário também não soube informar dos valores envolvidos. “Até o final destes 90 dias teremos todo este levantamento e poderemos informar a todos, e principalmente à população, onde o dinheiro público está sendo investido”.

O gestor da pasta afirma que a intenção não é prejudicar a população e, por isso, enquanto os contratos estão sendo analisados, outras medidas serão tomadas para solucionar problemas crônicos do Estado, como por exemplo os buracos nas rodovias. “Teremos que trocar o pneu do carro com ele andando.

Firmamos uma parceria de tapa buraco com diversos municípios e vamos dar o apoio necessário para que as estradas fiquem em condições de trafegabilidade”.

 

 

A Gazeta
Elayne Mendes

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário