15/03/2012 - Curso de Odontologia promove ação de prevenção ao câncer bucal em VG

 

Estimativa do Ministério da Saúde é de 160 novos casos em MT em 2012

Levantamento do Ministério da Saúde prevê, para 2012, 9.990 casos novos de câncer da cavidade oral em homens e 4.180 em mulheres para o Brasil. Para a região Centro-Oeste a previsão é de 3 casos para cada 100 mil habitantes e para Mato Grosso a estimativa é de 120 casos em homens e 40 em mulheres.

Diante deste quadro preocupante, professores e acadêmicos do curso de Odontologia da Univag, em Várzea Grande (MT), promovem mais uma edição do Programa de Diagnóstico e Prevenção de Câncer de Boca neste dia 24 de março.  A equipe fará ações de prevenção das 8 às 12 horas no campus da faculdade o que inclui exame para diagnóstico precoce do câncer bucal, realizando biópsias quando necessário e encaminhando o paciente quando a doença é confirmada através de exames laboratoriais.

O programa, coordenado pelos professores mestres da disciplina de Diagnóstico em Odontologia da Univag, Diurianne França, André Monteiro e Alessandro Santana, visa capacitar os discentes que serão os futuros profissionais da rede odontológica, estabelecer a UNIVAG como centro de referência, realizar estudo epidemiológico através de dados encontrados, criar um protocolo de atendimento e encaminhamento, de acordo com o nível e o fluxo de pacientes, através do SUS.

 “O programa de diagnóstico e prevenção de câncer de boca possibilita o diagnóstico precoce e adoção de medidas de prevenção, e, consequentemente aumento da sobrevida e qualidade de vida da população acometida”, explicam os coordenadores, informando que a programação também envolve ações em empresas.

Considerando que as estimativas tem mostrado aumento de novos casos de Câncer de Boca, e que 80% dos casos são diagnosticados tardiamente, a UNIVAG deu o inicio, em 2005, ao “Programa de Diagnóstico e Prevenção de Câncer de Boca”, visando a prevenção do câncer bucal em Várzea Grande e demais regiões do estado de MT.

Os principais fatores de risco para o câncer da cavidade oral são o tabagismo, o etilismo e as infecções pelo HPV. Estudos apontam que o hábito de fumar e beber estabelece um sinergismo entre esses dois fatores de risco, aumentando 30 vezes o risco para o desenvolvimento desse tipo de câncer. O fumo é responsável por cerca de 42% dos óbitos por essa neoplasia. Já o etilismo pesado corresponde a, aproximadamente, 16% dos óbitos.

As taxas de mortalidade por câncer da cavidade oral apresentam um declínio na população masculina na maioria dos países. Em mulheres, esse comportamento ainda não pode ser observado, uma vez que o início do uso do tabaco pelas mulheres foi posterior ao dos homens. Contudo, as taxas de incidência para câncer da cavidade oral relacionado à infecção pelo HPV, como amígdala, base da língua e orofaringe, aumentam entre adultos jovens em ambos os sexos. Parte desse aumento pode ser atribuído a mudanças no comportamento sexual.

A detecção precoce pela inspeção visual, feita pelo próprio indivíduo ou por dentistas e médicos, pode descobrir anormalidades pré-malignas do câncer da cavidade oral. Quando diagnosticado precocemente, esse tipo de câncer apresenta bom prognóstico.

Sandra Carvalho