14/03/2014 - Carretas atoladas, gado morrendo e motoristas passando fome na MT-437 em São José do Xingu (Vídeo)

A situação da rodovia estadual MT-437 que liga Confresa ao Xingu está totalmente isolada devido ao grande número de atoleiros e o péssimo estado de conservação da estrada que é usada para escoar parte da safra produzida na região.

O trecho mais crítico fica próxima ao posto Sucupira localizada a 30 km de São José do Xingu onde mais de 40 caminhões estão parados devido os atoleiros.

O descaso com a região Norte Araguaia se reflete em estradas abandonadas pelo poder público, motoristas revoltados com a situação desabafaram a equipe de reportagem do Site Agência da Notícia que percorreu cerca de 200 km de estrada de chão nesta terça-feira(11), para averiguar de perto as denuncias de descaso que chegam à redação do Site, em alguns trechos a equipe teve que empurrar o carro para poder continuar o percurso que está péssimo.  Ari Dorneles e a equipe percorreram o trecho e trouxeram a real situação de quem precisa usar o trecho.

“É uma vergonha o que estão fazendo com a gente, estamos aqui  há mais de 5 dias não temos comida e a água que usamos é suja,  isso é desumano” afirmou Claudio Botelho motorista que está a mais de 5 dias com sua carreta FH Volvo atolada.

Segundo outro motorista,  gado já morreu devido o tempo de espera no atoleiro, mais de 14 carretas do frigorifico JBS Friboi estão paradas aguardando o desenrolar da “novela” enquanto o gado sofre com perca de peso.

A situação não é critica somente para os caminhoneiros, moradores das cidades de São José do Xingu e Santa Cruz do Xingu estão praticamente ilhados, e quando precisam usar o trecho chegam a correr risco de vida, porque além da péssima condição da estrada, as pontes de madeiras que ainda existem no trecho estão abandonadas oferecendo grande risco para quem precisa passar por elas, como a estudante de contabilidade Daiane Luz Costa que mora em São José do Xingu e uma vez por semana precisa se deslocar para Porto Alegre do Norte que fica a cerca de 200 km. “Já teve vez que contei mais de 50 caminhões nesse trecho parado. Caminhoneiros com mais de 4 dias ai parado. Faço esse trecho toda semana para ir a faculdade em Porto Alegre do Norte e toda semana me surpreendo com esse lugar porque está cada dia pior. É um descaso com as pessoas que precisam trafegar por essas estradas. Nesta segunda-feira mesmo um ônibus que faz a linha entre Confresa e Xingu teve que dar uma volta pelos Baianos porque não conseguiu passar por esse trecho”, contou a estudante ao Agência da Notícia.

O Site Agência da Notícia percorreu cerca de 200 km nas estradas intrafegáveis em muitos pontos empurrando o veículo de reportagem. Uma equipe do governo está no local tentando fazer desvios quebra-galhos para que o trafego flua normalmente.

 

Agência da Notícia com Camila Nalevaiko

Comentários

Data: 15/03/2014

De: cade

Assunto: eleiçoes

vamos reeleger o Riva, o Baiano e outros deputados que só fazem promessas mentirosas por aqui.

Data: 14/03/2014

De: jose rezende

Assunto: hein ?

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do “O Repórter do Araguaia”. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Comentário vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros e não está relacionado ao tema da matéria. Queira por favor, refazer seu comentário e reenviá-lo sem citar nomes.

Data: 14/03/2014

De: joao

Assunto: Re:hein ?

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do “O Repórter do Araguaia”. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Comentário vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros e não está relacionado ao tema da matéria. Queira por favor, refazer seu comentário e reenviá-lo sem citar nomes.

Novo comentário