14/04/2011 14h:19 Suiá Missú está no centro de disputa entre Xavantes e produtores rurais do Araguaia

A área que possui 168 mil hectares  e está localizando entre São Félix do Araguaia e Alto Boa Vista, a mais de 1.000 km de Cuiabá, está no centro de uma disputa entre Xavantes e produtores rurais. A polêmica teve origem ainda na década de 60, quando o Governo do Estado emitiu títulos da gleba ao primeiro proprietário, que por sua vez, vendeu a área ao Grupo Agip Petróleo, na década de 70.

Em 1971, com o objetivo de ter acesso a créditos financeiros, o Grupo requereu à FUNAI uma certidão que atestasse a inexistência de povos indígenas na área. No início da década de 90, o Grupo decidiu pela venda fracionada da área, desmembrada em vários lotes. De um total de 800 mil hectares restaram apenas 168 mil/há, ainda sob propriedade do grupo. Diante do aparente desinteresse comercial por parte dos proprietários, a área acabou ocupada por produtores rurais da região. 

Em 11 de novembro de 1998, o Governo Federal bateu o martelo, decretando a área como reserva indígena Maraiwatsede, de etnia Xavante, desde então, o conflito entorno do direito de posse da área tem se acirrado.                        

Em 2008, o deputado Federal Homero Pereira propôs junto à Câmara Federal, um Projeto de Lei que busca sustar os efeitos do decreto que homologou a área como reserva indígena, entendendo ter sido um ato arbitrário e por contrariar normas constitucionais pré-estabelecidas para a criação de reservas. (Água Boa News)