14/04/2016 - Defesa alega que 'garoto tropeçou e caiu'

O advogado de defesa do ex-funcionário da Padaria Viena, Marco Antônio Dias Filho, disse em entrevista ao GD que seu cliente não agrediu o menino de 12 anos. “Ele pediu que o garoto e os dois irmãos deixassem o local e, assustados, os meninos saíram correndo e o menor tropeçou e caiu”.

Ele explicou ainda que a confusão que ganhou repercussão na mídia e redes sociais junto com a notícia da demissão fez com que o rapaz voltasse para a casa da família em Juara (709 Km de Cuiabá). Marco nega que ele tenha ido para o município se esconder.

O jovem José Soares da Costa Filho, 21, deve retornar para a Capital até o início da noite desta quarta-feira (13). Marco disse que alguns clientes pediram que o funcionário retirasse as crianças, pois estavam incomodados com a presença deles.

Quando questionado se o gerente do estabelecimento teria acobertado José, o advogado disse que o rapaz ficou até o fim do expediente na padaria e quando foi embora a polícia não tinha chegado. Ainda no mesmo dia, ele foi informado da demissão. “Acreditamos que a padaria tomou esta atitude diante da repercussão do caso”.

O acusado, segundo a defesa, deverá se apresentar na Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Deddica) até a próxima sexta-feira (15). O emprego na padaria foi o primeiro de carteira assinada do jovem que não teve idade e nome revelados.

Entenda o caso

No último sábado um menino de 12 anos que vendia paçoca de amendoim na padaria de luxo foi agredido por um funcionário com dois socos na região da cabeça. Ele estava na companhia de dois irmãos de 13 e 14 anos que estavam fazendo um lanche no estabelecimento no momento da confusão. Assustados todos saíram correndo do local.

O produtor cultural Willian Gama presenciou a agressão, acionou a PM e registrou um boletim de ocorrência. Na segunda-feira (11) a Comissão da Infância e Juventude da Ordem dos Advogados do Brasil seccional Mato Grosso começou a acompanhar o caso.

Na terça-feira (12) os 3 adolescentes foram localizados e ouvidos por uma equipe da Deddica. O garoto agredido passou por exame de corpo delito, o resultado deve ser divulgado em até 30 dias.

Nesta quarta-feira (13) o gerente e o proprietário da panificadora prestaram depoimento ao delegado Paulo Araújo, responsável pelo inquérito. Nesta mesma data conforme informação divulgada pela assessoria de imprensa da polícia civil, o advogado de defesa do acusado entrou com um pedido de representação para que o seu cliente preste esclarecimentos na delegacia de Juara. O delegado ainda não respondeu onde ele irá prestar depoimento.

Com a repercussão do caso, a defesa teme pela segurança dele vindo até a Capital e por este motivo entrou com a representação.

Outro lado

A Panificadora Viena se manifestou sobre o ocorrido através de uma nota divulgado na fan page no facebook no último domingo (10). 

"Em relação ao lamentável fato ocorrido na noite de ontem , noticiado pela imprensa, informamos que o funcionário envolvido foi imediatamente demitido, o que prova nossa total discordância com sua conduta. Registramos, também, que o mesmo foi contratado a poucos dias e estava em período de experiência . Importante, também, registrar nossa indignação com o fato, que agride nossa história e nossa formação, pedindo profundas desculpas aos nossos amigos e clientes, que saberão reconhecer que tais fatos, por sua própria natureza, sempre acontecem por iniciativa pessoal, independentemente da vontade ou orientação dos proprietários ou responsáveis pelo estabelecimento comercial. Quem conhece a Viena,temos certeza, haverá de nos compreender . De agora em diante, estaremos inteiramente á disposição das autoridades competentes.

Respeitosamente,

Viena Pães e Doces"

 

 

Jéssica Moreira, repórter do GD