14/05/2014 - Estado autoriza incremento no repasse para Hospital Municipal

Após meses de discussões e vistorias técnicas, finalmente a Secretaria de Estado de Saúde (SES) concederá à Prefeitura de Confresa o incremento na ordem de R$ 250 mil para custeio do Hospital Municipal. Em caráter definitivo, a decisão foi tomada na ultima semana, após dois dias de severas discussões entre o deputado Baiano Filho, o prefeito de Confresa Gaspar Lazari e os secretários-adjuntos da SES Marcos Rogério e Huark Correia.

Os debates pelo aumento do repasse se intensificaram nos últimos seis meses. As dificuldades de manutenção e custeio da unidade já haviam sido apresentadas ao Governo do Estado há mais de um ano. Segundo a SES, o impasse estava na incapacidade de produção da unidade, argumento esse rebatido pela administração municipal que comprovou por meio de números que a redução na produção estava diretamente ligada à falta de capacidade básica para manutenção da unidade, em outras palavras, falta financeiro para garantir o atendimento elementar dos pacientes.

“Nós saímos de Confresa determinados a resolver o incremento para o hospital, nós não temos se quer um litro de soro para atender a população, vergonhosamente saímos pedindo doação de frascos de soro nos municípios vizinhos, nossos técnicos estão em greve, o deputado Baiano Filho é nosso porta voz desde o principio, sabe da precariedade de que estamos falando, a SES questiona a queda de produção, mas como vamos manter a produção se não temos condições para atender o paciente, não temos soro na unidade, é uma calamidade”, desabafou Gaspar Lazari.

A dívida da prefeitura com fornecedores, manutenção e folha de pagamento já chegou a casa dos R$ 6 milhões, estrangulando outros setores da administração, sacrificados para o atendimento à saúde. Hoje a dívida ainda gira na casa de R$ 1,7 milhão apenas em medicamentos.

O convênio para a autorização do incremento será assinado está semana, em Cuiabá.

Outra ação que vem sendo insistentemente cobrada por Baiano Filho é a necessidade da formalização de um pacto de atendimentos entre os governos de Mato Grosso e Tocantins. Segundo Baiano Filho, a amplitude territorial do Norte Araguaia naturalmente impulsiona o encaminhamento dos pacientes para a unidade hospitalar de Palmas. Os números são claros. Um paciente por terra percorre cerca de 1.200km até Cuiabá em busca de atendimento e especialidades. Já o caminho para Palmas leva cerca de 550km, com apenas 89km sem asfalto. A lógica e a logística são evidentemente favoráveis ao atendimento em Palmas.

O calculo por via aérea também impulsiona para o atendimento na capital tocantinense. Enquanto uma UTI aérea de Confresa a Cuiabá leva duas horas de voo ao custo médio de R$ 7 mil, para Palmas o trajeto é percorrido em 40 minutos ao valor de R$ 3,5 mil, representando inclusive economia para Mato Grosso.

Participaram também dos debates os prefeitos de Santa Terezinha Cristiano Gomes e de Porto Alegre do Norte Emival Freitas, além do secretário de Saúde de Confresa Itamar Pinheiro.      

 

Naiara Martins

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário