14/07/2014 - Reportagem do Fantástico sobre taxi aéreo clandestino aponta caso ocorrido com médico de Barra

A reportagem especial do Fantástico, domingo dia 13/07, foi sobre pirataria nos céus do Brasil deserviço clandestino de taxi-aéreo que vem ocorrendo nos grandes centros e também no interior. E um caso ocorrido em Barra do Garças, a 506 km de Cuiabá, no mês de março de 2013, apareceu.  

O serviço prestado pela empresa Jetmed na remoção do bebê Renato de 1 ano e 6 meses, de Barra do Garças para Goiânia onde a família reclama que contratou o serviço com UTI aérea, mas não tinha equipamentos de UTI e que quatro dias depois a criança morreu.

O médico responsável pela empresa, Wendell Macedo, foi indiciado pela Polícia Federal. Ele nega o taxi-aéreo e alega que foi uma ajuda que fez ao pai que estava desesperado.

Acompanhe trecho da reportagem do Fantástico que cita o caso de Barra do Garças e na seqüência o link para ver a reportagem na íntegra:

 

Fantástico:

As regras são ainda mais rigorosas para um tipo de taxi aéreo muito usado no Norte e no Centro-Oeste. Chamado de aeromédico, transporta doentes para municípios com hospitais maiores e tem que estar pronto para atender emergências também durante o voo.

Em março de 2013, com problemas respiratórios, Renato, de 1 ano e 6 meses, precisou ser transferido de Barra do Garças, Mato Grosso, para Goiânia.

Os pais dizem que contrataram a empresa "Jetmed Táxi Aéreo" por R$ 5,5 mil.

"O combinado foi a UTI aérea, a enfermeira e o médico. Eu tinha um carro velho, na época. Eu vendi meu carro", conta Vandecleiton de Paula e Silva.

Quando o pai viu o avião, levou um susto e tirou fotos. "Não tinha lençol, não tinha nada. Eu não vi nada de aparelho de UTI".

No avião, estavam o piloto e o dono da empresa, o médico Wendel Macedo.

"Eu pedi para ele colocar meu filho na maca. Ele falou: 'não, você coloca ele no seu colo e vai segurando ele até chegar em Goiânia'. Ele mandou a gente calar a boca e falou que se a gente abrisse a boca novamente, ele ia voltar e deixar a gente na cidade de volta e a gente ia a pé para Goiânia", relata o pai de Renato.

Renato morreu de pneumonia, quatro dias depois. Os pais dizem que o atendimento precário no avião agravou o estado de saúde da criança. "A gente não quer dinheiro, não quer nada. A gente só não quer que fique em vão tudo o que a gente passou", lamenta o pai do menino.

Segundo as investigações, Wendel Macedo não tem autorização para voar como aeromédico. Ele foi indiciado pela Polícia Federal por colocar em risco o transporte aéreo. A pena é de até 5 anos de cadeia.

Wendel não quis gravar entrevista. Em nota, disse que "a criança faleceu em decorrência do agravamento da doença" e que não fez taxi aéreo. Alegou que foi uma ajuda para atender ao "pedido desesperado do pai do menino" e que não cobrou pelo voo e sim "apenas pelo serviço de médico".

 

Será que ele não fez táxi aéreo mesmo? Sem nos identificar como jornalistas, ligamos para Wendel, como se fôssemos contratá-lo.
Repórter: Eu estou precisando urgente de fazer um translado com a minha tia. Ela está passando muito mal do coração.

 

O médico aceita e diz o preço para ir para Goiânia no avião dele: "São R$ 5 mil. Ela vai deitadinha. Deita a poltrona e dá para ir três pessoas junto".

Procuramos as autoridades aeronáuticas.

Força Aérea Brasileira disse, em nota, que existe uma "sistemática" quando um avião pede autorização para voar: começa no "preenchimento do plano de voo e depois no contato por meio de rádio". Segundo a FAB, "nesse processo, a informação necessária para a segurança é o número de pessoas a bordo, independentemente da destinação ou do tipo de transporte".

A Secretaria de Aviação Civil disse que "a fiscalização dos táxis aéreos clandestinos cabe à Anac".

Agência Nacional de Aviação Civil confirmou que todas as aeronaves mostradas nesta reportagem estão irregulares. Alegou que tem dificuldade para flagrar táxi aéreo clandestino "porque, muitas vezes, os passageiros não contam para a fiscalização que pagaram pelo voo".

A Anac disse ainda que tem "cerca de mil inspetores para fazer fiscalizações" e que já "foram abertos 239 processos administrativos" contra os aviões piratas.

"Eu espero que a justiça seja feita porque é a única coisa que resta para fazer ainda", pede a mãe de Renato, Juciele Ferreira de Moura.

 

Araguaia Notícia

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário