14/09/2015 - Juíza absolve 'Nenezão', o principal ladrão de bancos em MT

14/09/2015 - Juíza absolve 'Nenezão', o principal ladrão de bancos em MT

Lindomar Alves de Almeida, o Nenezão, 33, acusado de liderar uma poderosa organização criminosa que atuava em Mato Grosso em assaltos a bancos e carros-forte foi absolvido pela juíza Selma Rosane Santos Arruda em uma ação penal que tramita desde 2013 na 7ª Vara Criminal de Cuiabá. Apontado como o principal assaltante de bancos no Estado na modalidade do "Novo Cangaço", o criminoso foi denunciado pelo Ministério Público pelos crimes de associação criminosa, roubo a mão armada a carro forte cumulado com explosão usando dinamite e ainda receptação de veículo roubado. Ele foi absolvido de todas as acusações.

A magistrada também absolveu a esposa de Nenezão, Cleonice Ferreira Lima, 39. Ambos estão isentos do pagamento das custas e despesas processuais e Lindomar ainda ganhou o direito deixar a cadeia caso não estiver preso por outros crimes. Cleonice era considerada foragida e foi presa no dia 5 de setembro de 2013 no estado da Bahia quando visitava o marido num presídio de segurança máxima. Ela teve o mandado de prisão preventiva cumprido naquele estado pela Polícia Civil mato-grossense, por meio do delegado Flávio Henrique Stringueta, titular da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO). 

Segundo a Polícia Civil, Cleonice gerenciava os “negócios” da família e eventualmente se deslocava para os demais estados dando o “aporte necessário” a ser fornecido aos demais integrantes do bando, sobretudo ao seu próprio marido. Lindomar é acusado de ter envolvimento em mais de 20 roubos a bancos em Mato Grosso. Na ação penal, Cleonice foi denunciada por associação criminosa. 

Lindomar já possui 2 condenações por roubos qualificados, uma delas de 8 anos e 4 meses de prisão no regime fechado referente a um processo que tramita na 5ª Vara Criminal de Cuiabá, mas a guia de execução penal tramita na Vara de Execuções Penais da Comarca de Serrinha (BA). Outra condenação foi de 6 anos e 24 dias de prisão num processo que tramitou na Comarca de Nobres. A execução da pena também foi encaminhada para a Justiça da Bahia.

" Tantos antecedentes revelam que o acusado é voltado às práticas delitivas, pois, mesmo já tendo sido condenado não se preocupou com as consequências do cometimento de novos delitos, o que demonstra desprezo pela ordem pública e traz risco ponderável de voltar a delinquir, sendo, portanto, precipitada a soltura", destacou a juíza Selma Rosane no dia 12 de agosto de 2014 quando negou pedido de relaxamento de prisão do criminoso.

Só 1 condenado

Único condenado no processo foi o réu Vander Ferreira, 35, pelos crimes de roubo a mão armada de carro forte, roubo de uma caminhonete S-10, explosão e receptação da S-10 roubada.  Ele foi condenado a 30 anos e 2 meses de prisão além de 296 dias-multa. O cumprimento da pena é no regime fechado sem direito de recorrer em liberdade, uma vez que o criminoso está preso desde agosto de 2014.

A magistrada destacou que ele teve culpabilidade acentuada por ter agido com dolo direto. Relata, que ele juntamente com outros indivíduos abordaram 2 carros fortes em trânsito, e perigosamente iniciou uma saraivada de tiros, fato que se afigura especialmente grave e que pesou em seu desfavor.

Ela pontuou que o réu responde outras ações de crimes contra o patrimônio, o que denota acentuada tendência à reiteração na prática de crimes. “Sua personalidade está maculada por força da prática destes crimes; e os motivos para o cometimento dos crimes não ficaram esclarecidos, mas tudo indica que tenha feito simplesmente por ganância. As circunstâncias em que foram cometidos não favorecem o acusado, eis que não poupou esforços para cumprir seu papel dentro da organização criminosa”, diz a juíza.

Denúncia

Os 3 foram denunciados em outubro de 2013 sob acusação de terem participado de um assalto a 2 carros forte da empresa Brinks nas proximidades de Diamantino (208 Km a médio-norte de Cuiabá) em junho de 2012. Também foi denunciado o acusado Elistécio Pereira Sobrinho,34, mas o processo em relação a ele foi desmembrado dos demais réus. 

No assalto, praticado na BR-163 entre o Posto Gil e o município de Nova Mutum (264 Km ao norte de Cuiabá), os bandidos conseguiram levar cerca de R$ 1,5 milhão. Eles utilizaram dinamite para explodirem o compartimento em que se encontrava o dinheiro. Os carros-forte saíram de Cuiabá em direção ao município de Lucas do Rio Verde (354 Km ao norte de Cuiabá). Na altura no KM 530 da BR-163, um dos veículos foi surpreendido pelos assaltantes juntamente com outros bandidos em uma caminhonete S-10 prata.

Na época da denúncia, Lindomar estava preso na Unidade Penal de Serrinha na Bahia e Vander Ferreira na Penitenciária Central do Estado (PCE), em Cuiabá.

 

Welington Sabino, repórter do GD

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário