14/10/2015 - Diagnóstico precoce do câncer de mama amplia chances de cura

Autoexame, exame médico e mamografia são as formas mais eficazes de detectar a doença

Outubro Rosa é um movimento de conscientização ao câncer de mama que objetiva alertar a população e, principalmente as mulheres, sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce da doença. A Unimed Cuiabá apoia a Campanha e alerta a respeito da detecção do câncer de mama, bem como a conscientização sobre autoexame e a necessidade de consultas periódicas ao médico.

Dados do Ministério da Saúde indicam que o câncer de mama é o que mais acomete as mulheres em todo mundo. No Brasil, estima-se a ocorrência 57.120 novos casos da doença em 2015. Ainda segundo o Ministério da Saúde, este é o câncer mais comum entre as brasileiras, depois do câncer de pele não melanoma.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), há elevado percentual de cura quando o câncer de mama é identificado em estágios iniciais e quando as lesões são menores de dois centímetros de diâmetro. Dessa maneira, o controle do câncer de mama depende de um diagnóstico antecipado, reduzindo assim, os índices de mortalidade.

De acordo com o médico mastologista Kamil Fares, além do autoexame, que deve ser feito mensalmente, a mamografia é indispensável para mulheres acima dos 40 anos. “O autoexame é muito importante para que a mulher conheça o seu corpo. É através dele que você pode descobrir qualquer alteração que esteja acontecendo na axila ou na mama, visto que o câncer de mama pode se apresentar como uma íngua”, explica. Kamil destaca ainda que o autoexame não substitui a mamografia e nem a consulta ao mastologista, por ser realizado por um profissional de saúde capacitado.

O autoexame consiste em analisar o contorno das mamas, principalmente após o período menstrual, fazendo movimentos diante de um espelho. Alterações nas axilas, como nódulos, além de mamas com o aspecto enrugado ou com manchas avermelhadas, semelhantes a uma alergia, podem indicar alguma anormalidade, sendo necessário solicitar ajuda a um especialista.

Prevenção - Não existe uma causa única para o câncer de mama. Contudo, gravidez em idade tardia, por exemplo, está entre os fatores de risco. É necessário adotar condutas preventivas, a exemplo da prática regular de exercícios físicos e da alimentação saudável. Um importante fator de proteção contra a doença é a amamentação. “Quando a mulher começa a produzir leite, as células das mamas ficam mais resistentes às alterações de tecidos e mutações genéticas que poderiam levar ao câncer”, pontua Kamil Fares.

Vale lembrar que observar o histórico familiar também é importante. Uma mulher cuja mãe, irmã, tia ou avó teve câncer de mama, deve ficar atenta e tomar medidas preventivas, como por exemplo, realizar a mamografia a partir dos 35 anos, anualmente.

Diagnóstico - Dados do INCA revelam que a cada ano cerca de 10 mil mulheres morrem no Brasil em decorrência da doença. A região Centro-Oeste é a terceira do país com maior incidência da doença: 37,68 casos para cada 100 mil mulheres. Neste sentido, o médicoAguiar Farina, mastologista, reforça a importância do diagnóstico precoce. “A doença é diagnosticada em estágios já avançado no Brasil. Mesmo que não encontre nenhuma alteração no autoexame, é preciso haver prevenção. E como medida preventiva, a mamografia é a principal forma de manter a saúde da mulher em dia”, pondera.

Segundo Farina, as formas mais eficazes para detecção precoce do câncer de mama são o autoexame, exame médico da mama e a mamografia. Para o controle da doença, é recomendado que as mulheres realizem exames periódicos, mesmo que esteja, aparentemente, tudo bem. “O diagnóstico precoce do câncer de mama reduz os índices de mortalidade”, esclarece.

Existem três tipos de exames de diagnóstico por imagens que podem ser feitos. A Mamografia, que é a radiografia das mamas. Exame muito eficaz, que permite descobrir o câncer numa fase inicial e deve ser realizado anualmente, após os 40 anos de idade. Outro tipo de exame é a Ultrassonografia Mamária, utilizada no diagnóstico e acompanhamento do nódulo e do seu tamanho. Esses dois exames são os mais realizados, pois, um complementa o outro. Já a Ressonância Magnética Mamária é recomendada para mulheres com nódulos suspeitos, histórico familiar de câncer de mama e pesquisa de recidiva tumoral.

Mamografia – Recente avaliação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) concedeu à Unimed Cuiabá a nota 0, 7987 (enquadrada no rol de pontuação máxima) na categoria que avaliou os índices de realização de exames de mamografia por operadoras de saúde. O resultado evidencia o empenho da cooperativa em cumprir a meta do Índice de Desenvolvimento da Saúde Suplementar (IDSS) que zela pelo controle do câncer de mama e incentiva mulheres na faixa etária de 50 a 69 anos a realizar a mamografia.

A Taxa de Mamografia é um dos indicadores do IDSS cuja meta é a realização do exame em 60% das mulheres, na referida faixa etária, a cada dois anos. “A priorização do cumprimento desta meta do IDSS retrata o zelo que a Unimed Cuiabá tem pela saúde e qualidade de vida de sua clientela”, declara o presidente da Cooperativa João Bosco de Almeida Duarte.

 

 

 

Autor: Movimento Saúde Unimed Cuiabá

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário