14/10/2015 - PÓ BRANCO: Exame não identifica cocaína e equipe da Globo é liberada pela PF

14/10/2015 - PÓ BRANCO: Exame não identifica cocaína e equipe da Globo é liberada pela PF

A equipe da TV Centro América, afiliada da Rede Globo em Mato Grosso, detida na tarde desta segunda-feira na MT-070, próximo a Cáceres (250 km de Cuiabá), foi liberada após ser comprovado que não havia cocaína nos 233 quilos de uma substância encontrada em um dos veículos usados pelos jornalistas. O material seria pó de giz ou gesso.

Os quatro funcionários da emissora foram detidos por policiais do Grupo Especializado em Segurança de Fronteira (Gefron), no final da tarde, ao atravessarem a fronteira com a Bolívia com os 169 tabletes aparentando ser cocaína. 

Aos policias, o jornalista Alex Barbosa e outros três funcionários alegaram estar trabalhando em uma matéria, onde seria abordada a fragilidade da fronteira ente os dois países que é rota para o tráfico de drogas. Contudo, eles foram levados a delegacia da Polícia Federal onde foi feito o “narcoteste”, que identificou que a substância não se tratava de cocaína.

Em uma nota emitida pela afiliada no jornal matinal Bom Dia Mato Grosso, a emissora explicou ter comunicado sobre a matéria ao Ministério Público Federal (MPF) em Cáceres, antes de atravessarem a fronteira. 

O secretário de segurança pública Mauro Zaque informou em entrevista que um procedimento vai ser instaurado para apurar o que realmente houve e quais as medidas vão ser tomadas. 


Secretaria esclarece abordagem à equipe de TV na fronteira

 

A Secretaria de Segurança Pública (Sesp) esclarece que a abordagem do Grupo Especial de Segurança de Fronteira (Gefron) à equipe da TV Centro América atendeu as normas legais e rotineiras da força de segurança que atua na fronteira. A abordagem aconteceu na BR-070 sentido Bolívia -Brasil. Quatro pessoas da equipe e dois carros foram parados e revistados.

Ao fazer a revista no interior de um dos veículos foi encontrado vários invólucros com fita crepe contendo um material esbranquiçado análogo a cocaína. O repórter Alex Bezerra Barbosa, disse que a equipe estava produzindo uma matéria que seria transmitida em nível nacional, com o objetivo de demonstrar a fragilidade da segurança de fronteira.

O repórter confirmou que estava sendo transportado no porta malas de um dos veículos 240 quilos de pó de gesso. Foram também encontrados com a equipe uma microcâmera e material de áudio. A equipe de reportagem foi encaminhada para a Polícia Federal de Cáceres, onde após averiguação foi constatado que o pó branco, análogo à cocaína, não era entorpecente. Diante dos fatos foi confeccionado um Boletim de Ocorrência para as medidas cabíveis.

O secretário de Segurança Pública, Mauro Zaque informou que "o caso vai ser analisado em razão de ter desviado as forças de segurança pública do seu objetivo, deixando a fronteira desguarnecida, o que causou também prejuízo aos cofres públicos com emprego de força pública para atender uma demanda pessoal e de interesse particular da emissora".

Os veículos foram apreendidos e estão no pátio da Polícia Federal, em Cáceres. O produto foi encaminhado para laboratório, o que vai constatar se o material é de transporte controlado ou proibido. Um inquérito foi aberto e será conduzido pela Polícia Federal.

Foram mobilizados na ocorrência 16 homens, entre 4 equipes do Gefron e 5 policiais federais.

 


MPF esclarece informações sobre orientação dada à equipe da TV Centro América
 
 
O Ministério Público Federal comunica que a instituição foi consultada pela TV Centro América, na sexta-feira (09/10), a respeito do interesse do veículo de comunicação em fazer a travessia da fronteira entre Brasil e Bolívia, no oeste de Mato Grosso, simulando o transporte de droga.
 
O MPF informou à TV Centro América, em duas ocasiões, que não tem atribuição de autorizar ou avalizar a realização da matéria jornalística. E, na obrigação da transparência com as instituições que fazem a segurança na fronteira, o MPF comunicou a Polícia Federal.
 
O mesmo dever de transparência com as instituições da Polícia Federal e com o Gefron levou o MPF a comunicar à TV Centro América, ainda na tarde de sexta-feira 09/10, que a força policial tinha conhecimento da pauta.
 
O Ministério Público Federal reconhece a importância da investigação jornalística para levar ao conhecimento público os problemas de nossa sociedade e em sua relação com a Imprensa atua dentro dos limites da legalidade e com base na transparência dessa relação.
 
 
 
 
 

Carlos Dorileo

Folha MAX

 

 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário