14/12/2012 - População contrai doença desconhecida em Suiá Missu (Veja o vídeo)

 

Um tipo ainda desconhecido de doenças se espalha dentro do distrito Estrela do Araguaia (30 quilômetros de Alto Boa Vista), onde moradores da região resistem contra uma operação de desintrusão de todos os não-índios da área, demarcada como terra indígena em 1998, apesar de ainda correr na Justiça Federal um processo que julgará a quem realmente pertence estas terras. Pelo menos 80 pessoas já manifestaram os sintomas como febre alta, dores de cabeça, no corpo, tosse, enjoo e infecções diversas, como de intestino e de ouvido. Os remédios estão escassos, já tendo chegado a faltar na manhã de hoje.

Entre as suspeitas da origem desta doença, possivelmente um vírus, está a possibilidade de ser algo que foi transmitido pelas bombas e gases utilizadas pelas forças de desintrução no conflito de segunda (10). Muitos dos que estiveram no local, já caíram doentes, bem como suas famílias. “Eu acho que é algo que tinha naquela fumaça, no gás dos policiais. Todos que foram lá estão ficando doentes”, disse Sueli Santana, 37, enfermeira há 20 anos. Já a outra atendente de saúde da região aumenta o leque de possibilidades. “É difícil dizer o que é. Pode ser algo naquelas bombas, pode ser a água, tem muita coisa”, disse Matiana Garcia, 27, enfermeira do Ministério da Saúde.

No caso de Maria Matins Sandoval, 40, moradora de Posto da Mata há 14 anos e que esteve no confronto entre os produtores rurais contra as forças policiais, juntamente com seu marido, todas as cinco pessoas de sua casa estão doentes. “Meu marido está ruim faz cinco dias. Depois foram minhas crianças e agora eu”. Ela esteve no posto de saúde, construído pelos moradores da região a fim de tentar conseguir remédios e relatou a dificuldade para tratar da saúde da família. “Está muito difícil. Não tem em lugar nenhum. Não acha nem em farmácia”, disse a senhora.

Os dois únicos pontos de atendimento de saúde da cidade estão sempre atendendo. Em um dos locais, até jornalistas que cobrem todo evento já foram atendidos. Osmar Reis Mota, 31, que estava presente no conflito, começou a passar mal no dia seguinte ao confronto. Desde então nem consegue se alimentar direito. “Foram quatro dias de febre alta. Dor na cabeça, no corpo, em tudo. Teve dia que tremi de bater o queixo e dormir com jaqueta”. Por enquanto chegaram algumas doações de remédios, mas ainda são poucos, segundo as duas agentes de saúde. Ambas já solicitaram que fossem feitos apelos para a doação de medicamentos para o Posto da Mata.

 

 

RDNews - Jardel Arruda

COMENTÁRIOS

Data: 14/12/2012

De: bactria

Assunto: doença

Cuidado ai povo olha a arma quimica ai......!

Data: 14/12/2012

De: selma

Assunto: suia missu

pelo amor de Deus genti vais auguma coissa

Data: 14/12/2012

De: Elimar

Assunto: suia missu

ninquemm tem mais palavras naõ vai adiantar ninquem esta nos ouvindo

Novo comentário