15/04/2016 - Mendes tira ex-chefe de gabinete da cadeia sete dias após revogar prisão de Riva

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, revogou prisão preventiva imposta contra Geraldo Lauro, ex-chefe de gabinete de José Geraldo Riva. A decisão desta quinta-feira (14) foi estabelecida sete dias após o próprio Mendes deferir pedido semelhante de Riva. Ambos estavam detidos preventivamente em conseqüência da “Operação Célula Mãe”, que investiga um desvio de aproximadamente R$ 2 milhões na Assembleia Legislativa de Mato Grosso.

A liminar que mandou “tirar” Lauro do Centro de Custódia da Capital ainda não foi divulgada em sua integra. A decisão, porém, deverá ser cumprida nas próximas 24h.

Na decisão favorável a Riva, no dia 8 de abril, Mendes afirmou que a prisão descumpriu decisão anterior do STF, que já havia concedido habeas corpus ao ex-parlamentar, e explicou que somente o surgimento de fatos novos poderia autorizar o restabelecimento da custódia cautelar, o que, segundo ele, não se verifica no caso.

Na Operação Célula Mãe ,o ex-chefe de gabinete foi preso no dia 13 de outubro de 2015. Ele é acusado de gerenciar um esquema que desviava dinheiro do Fundo de Suprimento da Assembleia Legislativa do Estado para o pagamento de despesas pessoais de Riva e a distribuição de um suposto “mensalinho” para aliados políticos do ex-deputado. 

Operação Célula Mãe

Após desencadeada a primeira fase da “Operação Metástase” que prendeu mais de 22 pessoas, 2 empresários e 20 servidores da AL, documentos e depoimentos levaram o Gaeco a desencadear uma nova operação, denominada “Célula Mãe”. 

Desta vez, a juíza da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Selma Rosane Santos Arruda, decretou a prisão do ex-presidente da Assembleia Legislativa juntamente, junto com outros servidores da ALMT, que eram ligados à gestão: Geraldo Lauro e Maria Helena Ribeiro Caramelo.

 

 

 

Da Redação - Arthur Santos da Silva

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário