16/05/2011 - 09h:05 Não é fácil ser cinegrafista no interior do Estado

Gilberto Pereira dos Santos, nascido em Luciara, região nordeste de Mato Grosso, começou a ter interesse por filmadoras em 1997. Curioso, foi mexendo num equipamento VHS e logo passou a filmar casamentos, aniversários e outros pequenos eventos. Por volta de 1999 começou a prestar serviços para a Prefeitura de São Félix do Araguaia, onde mora desde 1971.
Uma das produções de que Gilberto mais se orgulha, foi um video encomendado pela Funai. Ele fez imagens da festa dos índios Karajá, na aldeia Santa Isabel, localizada na Ilha do Bananal, Tocantins, para integrar um documentário.

Ano passado, Gilberto, conhecido na região pelo apelido de Passarinho, filmou o assentamento Bordolândia, município de Bom Jesus do Araguaia, a pedido da afiliada da Rede Globo, a TV Centro América.

Ser cinegrafista no interior, em locais tão distantes da Capital, não é nada fácil. Passarinho reclama da falta de cursos para a sua área. "Tudo o que aprendi foi na curiosidade, perguntando para um e para outro, pedido dicas e lendo algumas coisas", diz.
 
Extremamente simples, Passarinho é o mais antigo cinetrafista da região e sempre está presente nos
principais eventos dos municípios do Norte Araguaia. Chega de mototaxi ou bicicleta aos locais de filmagem e viaja de ônibus ou de carona para realizar serviços nas cidades vizinhas. Seu esforço já rendeu belíssimas imagens exclusivas do Araguaia.
 
Sem recursos, trabalha com um filmadora AGDV7 Panasonic, mas seu objetivo é comprar um equipamento melhor e que possa render produto com uma qualidade mais apurada. "Como há poucas estradas asfaltadas por aqui, enfrento outro problema que é o excesso de poeira", conta Passarinho, que sempre tem que levar seu maquinário para a manutenção.

 

Ele sonha em passar alguns dias em Barra do Garças ou Cuiabá para fazer intercâmbio com colegas cinegrafistas mais experientes, já que não há curso superior na sua área em São Félix do Araguaia. "Estou me organizando agora para o Festival de Praia de São Félix", diz Passarinho, época em que consegue faturar um pouco mais por atrair milhares de turistas à cidade.


Passarinho é um exemplo de persistência. Gosta do que faz e apesar de toda dedicação ainda não tem o devido reconhecimento. Porém, acredita que alcançará seus objetivos, que é modernizar seu equipamento e a qualidade final dos seus seviços. (com Vanessa Lima, de O Repórter do Araguaia)

Postada por: Ida Aguiar

Sandra Carvalho, de São Félix do Araguaia

 

 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário