15/07/2015 - José Riva é internado em hospital e interrogatório é remarcado

O ex-deputado estadual José Riva (PSD) foi internado nesta madrugada em um hospital de Cuiabá e recebeu o diagnóstico de cálculo renal, mais conhecido como "pedra nos rins".

A informação é do advogado Mário Sá, que defende o parlamentar em conjunto com o advogado Valber Melo. Ele preferiu não divulgar, porém, em qual hospital Riva está sendo atendido.

Em razão do problema de saúde, o interrogatório de José Riva em duas ações penais, marcado para a tarde desta terça-feira (14), foi remarcado para o dia 29 de setembro.

O político seria interrogado pela juíza da 7ª Vara Criminal da Capital, Selma Rosane de Arruda, em duas ações penais das quais ele é acusado dos crimes de peculato e lavagem de dinheiro. 

As ações são derivadas de desdobramentos da Operação Arca de Nóe, deflagrada pela Polícia Federal (PF), em 2002 e que resultou na prisão do comendador João Arcanjo Ribeiro. 

O ex-deputado é acusado de desviar dinheiro dos cofres da Assembleia Legislativa, por meio de empresas fantasmas. 

Ações

Na primeira ação, que corre em segredo de justiça e cuja audiência teria início às 13h30, além de Riva, seriam ouvidas testemunhas arroladas pela acusação e pela defesa. 

São elas: o servidor público, Celso Emilio Barini; o auditor fiscal do Tribunal de Contas do Estado, Antonio José Campos Ferraz; o auditor público do TCE, Joacir Geraldo do Nascimento e Raquel Alves Coelho. 

Também figura como testemunha arrolada pela defesa do ex-deputado, o vice-presidente do TCE, José Carlos Novelli. Por possuir prerrogativa de foro, contudo, Novelli pode escolher a data de seu depoimento, o que, até o momento, não ocorreu. 

Em outro processo, cuja audiência ocorreria  às 15h30, José Riva é acusado também das práticas de crimes de peculato e lavagem de dinheiro. 

Segundo a denúncia, o ex-deputado e demais corréus teriam constituído, de forma fraudulenta, a empresa ED-Maluco Reparos e Serviços Ltda., forjando operações com a Assembleia Legislativa no valor de R$ 1,9 milhão, com o objetivo de possibilitar o desvio de dinheiro dos cofres públicos. 

Ainda conforme a denúncia, o saque dos cheques emitidos em favor da empresa eram efetuados diretamente no caixa do banco por representantes da própria Assembleia. 

“Necessitando de dinheiro para pagamento de despesas pessoais ou decorrentes de campanhas eleitorais, os deputados José Geraldo Riva e Humberto Melo Bosaipo recorriam, frequentemente, à Confiança Factoring, emprestavam dinheiro e, em troca, para garantir a quitação das referidas operações (empréstimos), entregavam à Confiança Factoring, cheques emitidos contra a conta corrente da Assembleia Legislativa deste este Estado”, diz trecho da denúncia. 

Na sequência, os cheques nominais a empresa ED-Maluco eram encaminhados pelos próprios deputados para a Confiança Factoring e lá, trocados por dinheiro, ou por cheques emitidos pela Confiança a José Riva, bem como, pessoas ou empresas indicadas por ele. 

“Posteriormente os cheques emitidos contra a conta corrente da Assembleia Legislativa Estadual eram compensados ou sacados em prol da Confiança Factoring (fls. 544/561), fechando-se assim o círculo criminoso de desvio e apropriação indevida de dinheiro público”, completa a denúncia.
 
 
 

Camila Ribeiro E Lucas Rodrigues 

Da Redação

 
 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário