16/09/2015 - Em delação premiada, empresário diz que teria pago propina de R$ 2 mi para obter incentivos - confira lista

16/09/2015 - Em delação premiada, empresário diz que teria pago propina de R$ 2 mi para obter incentivos - confira lista

Investigações da polícia revelaram que o empresário João Batista Rosa, presidente da Tractor Pars, teria feito uma delação premiada, na qual informou que pagou propina de R$ 2,6 milhões para obter benefício de incentivo fiscal, que foi concedido pela secretaria estadual de Indústria, Comércio, Minas e Energia (Sicme), comandada à época por Pedro Nadaf. Conforme inquérito, o ex-secretário recebia os pagamentos, através de cheques emitidos pela Tractor.

 

Em nota, a empresa afirma que foi vítima de extorsão de agente públicos que figuravam no Governo Silval Barbosa (PMDB), para manter o incentivo fiscal concedido às empresas que compõem o Grupo legalmente. Entretanto, para não prejudicar as investigações e resguardar a família, o diretor João Batista não se pronunciará sobre o assunto, destacando que o que tinha para falar se encontra na delação.

 

Entre os levados coercitivamente, nesta terça (15), por agentes da Delegacia Fazendária, para prestar esclarecimentos e/ou presos, está a esposa do ex-secretário Nadaf, Geiziane Antelo, e a ex-secretário-geral da Junta Comercial de Mato Grosso (Jucemat) Narjara de Barros. Também figura na lista de citados o empresário Francisco Andrade Gomes Filho.

 

Operação Sodoma

A Delegacia Fazendária prendeu, nesta terça (15), os ex-secretários estaduais Pedro Nadaf (Sicme) e Marcel de Cursi (Fazenda). A ação foi realizada pelo grupo operacional do Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos (Cira), força-tarefa permanente composta pela Delegacia de Combate à Corrupção, Ministério Público, secretaria de Fazenda e Procuradoria-Geral do Estado, com apoio do Sistema de Inteligência do Estado.

 

O secretário-geral do Cira, promotor Fábio Galindo, informa que a operação ocorre no curso da investigação criminal, iniciada há mais de quatro meses, e está amparada em robusto acervo de provas da participação dos investigados e mediante minuciosa análise de dados e de documentos. Segundo ele, a ação foi autorizada pela Vara de Combate ao Crime Organizado de Cuiabá.

O nome da operação é uma referência à cidade de Sodoma, que foi destruída em razão dos elevados níveis de corrupção praticados pelos moradores.

 

Confira a lista:

Francisco Andrade Gomes filho

Carla Cecílio oliveira

Marcos Flávio de oliveira

Narjara de barros

Geiziane Rodrigues Antelo

Reprodução

 

 

Camila Cervantes

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário