15/09/2015 - Filha quase é atingida por disparos que mataram produtor; netas de 4 e 11 anos estavam em casa

Andréia Medeiros, filha do produtor rural Cícero Bezerra de Medeiros, morto na noite do último domingo (13), em uma Zona Rural, da cidade de Poconé (104 km de Cuiabá), quase foi atingida por um dos disparos que vitimaram seu pai. Ela estava na residência, junto com as netas de Cícero (uma de 4 anos e a outra de 11 anos), no momento da execução. A família acha pesado falar em pistolagem: “Pistolagem é quando a pessoa é bandida. Meu irmão era uma das pessoas mais corretas, honestas e trabalhadoras”, disse Creuza Medeiros.
 
“Eu acho muito pesado dizer isto. Pistolagem é quando a pessoa é bandida. Meu irmão era um das pessoas mais corretas, honestas e trabalhadoras da face da terra e muito amado. Hoje, vieram amigos de 40, 50 anos dele, que só fazia o bem. O legado que o meu irmão deixa, tanto em Chapada dos Guimarães, como em Poconé, é algo que não tem como precificar. Ele vivia pelos outros. Acreditamos na Justiça e deixamos para ela dar a nomenclatura correta do que se trata. Tivemos um apoio impressionante de todos os setores da mídia, Ministério Público e toda a Justiça”, disse Creuza, que também é jornalista.
 
Creuza confirmou que Cícero estava em frente de casa, conversando com Rodrigo Botelho, que também foi morto durante o ataque: “Meu irmão não tinha riqueza para ser roubado, ele era a própria riqueza. A gente não sabe se o tiro foi pra ele ou para a outra pessoa que estava com ele, que também era alguém do bem. Pelos relatos e algumas imagens, ele estava na frente da casa conversando com o Rodrigo, que o chamava de pai, já que os dois tinham um vínculo muito bonito”.
 
A jornalista ainda contou como tudo aconteceu: “Eles estavam conversando, apareceram os dois suspeitos correndo e atiraram primeiro no Rodrigo. A minha sobrinha (a jornalista Andréia Medeiros) e as crianças estavam dentro de casa. A Andréia ouviu o barulho dos tiros e correu para ver o que estava acontecendo. Ela viu o meu irmão correndo para dentro de casa, mas como a filha dela estava junto, voltou para o interior da residência”.
 
“Depois de deixar a filha dela lá, ela saiu novamente, mas nisso os criminosos acertaram as costas dele (Cícero). Um dos disparos passou perto da Andréia e acertou o carro dela. Depois disto, meu sobrinho estava vindo e eles saíram atirando de dentro da caminhonete do Rodrigo, é o que eles fazem, o modo deles agirem”, revelou Creuza.
 
Creuza ainda fez questão de agradecer as mensagens de apoio que recebeu: “Meu irmão passava o dia servindo as pessoas. Se ele tivesse fazendo alguma coisa e chegasse alguém precisando mais, ele largava o que estava fazendo. Tanto que domingo, ele tinha trabalhado o dia inteiro. Estamos chocados, mas estamos com a alma tranquila. Somos muito gratos pela manifestação de carinho de todos. Eu era muito ligada ao meu irmão, ele era meu ‘doce de coco’. Tínhamos uma afinidade para a eternidade. Meus filhos eram os netos que ele não teve”.
 
“Pego para Cristo”
 
A jornalista ainda fez questão de esclarecer alguns pontos divulgados sobre o caso: “Nós confiamos na Justiça. Só temos a agradecer, porque está tudo acontecendo de forma natural. Acreditamos que falar em pistolagem é muito forte. Esta versão que ele teria denunciado uma quadrilha de roubo de gado também não existe. Consideramos isto muito forte. O que existe são aqueles comentários que a cidade inteira fala. Sabe quando alguém é pego pra cristo? Foi o que aconteceu. Não teve nenhuma denúncia formal que a gente saiba. Também não temos informações de que ele teria recebido ameaças”.
 
O procurador-geral do Estado, Paulo Padro, também esteve presente no velório do produtor rural, que aconteceu na Funerária Santa Rita, em Cuiabá e declarou que:” Não descartamos nada, estamos investigando”.
 
O caso
 
Cícero Medeiros e o empresário Rodrigo Botelho foram assassinados na noite deste domingo (13), na zona rural de Poconé (104 km de Cuiabá). Cícero é pai da jornalista Andréia Medeiros, que atua como assessora de imprensa do Ministério Público Estadual (MPE) e também foi secretário de Obras de Chapada dos Guimarães. Os dois estavam conversando na frente de casa, quando foram surpreendidos. Cícero levou um tiro nas costas e Rodrigo, foi atingido na cabeça.

 

 

Da Redação - Wesley Santiago

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário