15/12/2011 - Falso dentista é preso em consulta

 

Ele atendia os pacientes em casa e não respeitava as normas de higiene. O falso dentista foi preso em uma fiscalização feita pela vigilância sanitária e pelo Conselho de Odontologia.
 
Os fiscais chegam de surpresa ao consultório. Israel Carlos Vieira atendia uma paciente. Mesmo com a ordem de parar, o falso dentista insiste em continuar, porque já tinha começado a obturar o dente da paciente. Sem luvas, ele manuseia os instrumentos. Um risco à saúde.
 
O consultório funcionava na casa onde o falso dentista mora. Israel não fez faculdade de odontologia como determina a lei. Ele não pode atuar como dentista, mas tem até cartão.
 
O orçamento do tratamento é feito em um pedaço de papel. Ele cobra três parcelas de R$ 225.
“Nenhuma parte de conservação nem esterilização. Não tem câmara adequada. Você pode ver que está tudo irregular”, afirma José Carlos Campos, chefe da Vigilância Sanitária/ Nova Olímpia.
 
Ao saber que estava num falso consultório e que o dentista não é formado em odontologia, a paciente Zilma Vital da Slva fica revoltada. “A pessoa para mexer com isso ai tem que ser formada. Para saber o que está fazendo. Não é certo, não”.
 
O Conselho de Odontologia faz um alerta: qualquer tratamento feito por falsos profissionais é um grave risco para a saúde. “As consequências são as piores possíveis. Podendo levar a contaminação dos pacientes. A hepatite pode ser transmitida pela saliva e o risco maior é o HIV”, explica Dalter Favarete, presidente do CRO/MT.
 
Manoel Messias de Souza fez um tratamento de canal com o falso dentista israel. Quando procurou outro profissional ele descobriu que tinha sido enganado. “Quando ela abriu o dente, constatou que o dente estava cheio de algodão. Eu perdi o dente. Me senti enganado”.
 
Jonas Campos/ Cuiabá, MT
 
 
 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário