16/01/2015 - Área de soja no Norte Araguaia sobe 350 mil ha em menos de uma década

 

A região do Norte Araguaia, em Mato Grosso, tem atraído produtores de vários Estados por causa das condições favoráveis para o cultivo de soja. O resultado foi uma valorização das terras. O preço do hectare passou de R$ 2 mil para R$ 6 mil em três anos.

A região já foi conhecida como o Vale dos Esquecidos, o que faz sentido se levarmos em conta as condições precárias da BR-158, que dá acesso ao município de Porto Alegre do Norte, localizado a 1.200 km de Cuiabá. Depois de uma experiência frustrada com a soja no início dos anos 2000, os produtores decidiram investir na pecuária de corte, mas a soja vem recuperando espaço aos poucos. A topografia plana da região e o clima favorecem o cultivo de duas safras.

Apesar do aumento na produção da região, a rodovia BR-158 deixa a deseja (Pedro Silvestre/Canal Rural)

Apesar do aumento na produção da região, a rodovia BR-158 deixa a deseja (Pedro Silvestre/Canal Rural)

Até 2008, a soja ocupava apenas 50 mil hectares das terras do Norte Araguaia, região que abrange 13 municípios mato-grossenses. Com a abertura de novas áreas de produção nos últimos tempos, a soja passou a ser cultivada em 400 mil hectares. Na safra 2014/2015, são 70 mil novos hectares.

Agricultura de precisão na Caravana Soja Brasil

Foi nesta região, considerada estratégica para os produtores de Mato Grosso que o Senar-MT deu início à segunda etapa da Caravana Soja Brasil. A palestra de qualificação em agricultura de precisão reuniu centenas de produtores. Eles foram aprender como a técnica pode melhorar sua produtividade e a necessidade de haver mão-de-obra especializada.

– Eu acredito que todos os produtores devem ingressar em processos tecnológicos de agricultura de precisão. A pergunta que ele deve se fazer é qual o nível que ele está preparado para entrar. A partir disso, os produtores passam por um processo tecnológico, quais máquinas ele está disposto a investir e como ele pode obter essas informações – explica o engenheiro agrônomo Alan Costa.

Pioneiro no plantio de soja na região, o produtor Édio Bruetta faz investimentos em agricultura de precisão nos últimos cinco anos. Parte dos 18 mil hectares de soja plantados na região já foram mapeados e o produtor está satisfeito com o resultado.

– A gente conseguiu melhorar em torno de 10% a nossa produtividade. Saímos de áreas mais novas, com 48 sacas por hectare para 53 sacas, mas em alguns talhões chegou até 70 sacas/hectare – comemora.

Na integração lavoura-pecuária, os resultados conquistados pelo sojicultor também são expressivos.

– Nós conseguimos retirar 3.600 kg de soja por hectares na primeira safra. Entramos com milho safrinha, consorciado com braquiária e, com isso, tiramos 7.000 kg de milho por hectare. Ainda conseguimos de 2 a 3 arrobas de carne naquele período crítico – explica Brunetta.

 

 

Escrito por Ricardo Cunha | Porto Alegre do Norte (MT)

 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário