16/04/2015 - Humilhação na cadeia motivou travesti a arrancar orelha

Um grupo de amigos e ativistas saíram em defesa da travesti Verônica Bolina, de 25 anos, que ganhou os noticiários depois que arrancou a orelha de um carcereiro do 2º Distrito Policial, no Bom Retiro, zona central de São Paulo, no último domingo (12). Yasmin Fernandes, amiga da travesti, diz que não teve a chance de falar com ela, mas que soube que a amiga se irritou porque seria colocada em uma cela com outros homens.

— Eles tiraram o aplique dela e a jogaram em uma cela com outros homens que começaram a fazer piadinha com ela. Tenho certeza que ela ficou com medo e reagiu. Um absurdo o que fizeram e o desrespeito com a figura dela, uma negra, travesti e garota de programa.

Segundo o boletim de ocorrência, Verônica foi presa depois de agredir uma idosa nos Jardins. Ela foi levada primeiro para o 78ºDP e depois para o 2°DP. A amiga, que participa do grupo ‘Justiça para Verônica Bolina’
questionou essa confusão com a idosa e disse não entender como isso aconteceu.

— A Verônica faz programa no flat dela e todo o prédio é alugado por garotas de programa. Não entendi como uma idosa vai morar num lugar desses e ainda reclama do barulho. Toda a história está estranha.

O delegado Luiz Roberto Hellmeister, do 2°DP, disse que o carcereiro e a travesti viveram ‘uma verdadeira briga de rua’.

— Ela chegou aqui e não quis ficar na cela com os outros homens. Foi levada para um seguro, mas também não quis ficar. No momento em que estávamos fazendo um remanejamento, ela atacou o carcereiro e ele deu socos nela. Foi cena de briga de rua mesmo. Aqui é um lugar provisório e não temos celas específicas, como em um presídio.

Na tarde desta quarta-feira (15), o delegado ouviu o depoimento da travesti.

— O que ela disse foi que estava possuída por um demônio. Ninguém arrancou o cabelo dela. Ela perdeu a peruca em algum momento e ela quem arrancou a própria roupa. O que ela levou foi soco do carcereiro.

O carcereiro que teve a orelha arrancada passa bem e não vai ficar afastado do trabalho. Verônica deve ser transferida para um presídio em dois dias. Ela responderá por tentativa de homicídio em relação ao espancamento da senhora e responderá novamente pelo mesmo crime pela agressão ao carcereiro.

Na tarde desta quarta-feira, grupos foram até a delegacia para saber as condições que Verônica está e para saber o que aconteceu no domingo. Fotos da travesti agredida e sem roupa circularam pela internet, assim como a foto do carcereiro sem a orelha.

 

Redação do R7

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário