16/04/2015 - "Incompetência da gestão passada é maior que os campos de soja"

O governador Pedro Taques (PDT) afirmou, durante a feira agropecuária Parecis SuperAgro, nesta quarta-feira (15), em Campo Novo do Parecis (396 km a Noroeste de Cuiabá), que as diversas auditorias nos contratos do Estado e os problemas de caixa se devem à incompetência da gestão passada.

Sem citar o nome do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), Taques ainda afirmou que a dívida de 2014 de Mato Grosso é “ilegal”.

“Mato Grosso é um Estado muito forte. Mas temos que admitir que a administração passada foi de uma incompetência abissal, uma incompetência maior que todos os campos de soja de Mato Grosso, no trato com a coisa pública”, disse.

“Nós encontramos o Estado com R$ 700 milhões em restos a pagar, somente em 2014. Essas dívidas não são da nossa administração. São dívidas do Governo passado. E, aliás, são dívidas que não poderiam existir porque, de acordo com a LRF, o que é empenhado no último ano do mandato tem que ser cumprido naquele ano”, afirmou.

O governador disse que vem se esforçando para saldar essas dívidas, de modo a garantir credibilidade ao Estado.

Como exemplo, ele citou o projeto de lei denominado “Bom Pagador” e as últimas emendas, que garantiram o pagamento em parcela única aos credores de até R$ 150 mil.

“Hoje, tivemos uma reunião com os secretários Paulo Brustolin [Fazenda] e Marco Marrafon [Planejamento] e com o deputado Wilson Santos, e apresentamos emenda sobre leilão reverso. O Estado pode pagar até R$ 150 mil para aqueles que o bem foi ofertado, o serviço realizado e está dentro do que exige a legislação”, disse.

“Portanto, estamos saldando essas dívidas para que Mato Grosso possa ter credibilidade. Um Estado não pode perder a sua credibilidade. Já as nossas dívidas, referentes aos meses de janeiro, fevereiro e março, pagamos em dia. Como se diz em Cuiabá: tim-tim por tim-tim”, afirmou.

Apesar dos diversos problemas quem vêm sendo apontados, Taques negou que sua gestão esteja com os olhos apenas voltados ao passado. Ele também negou que haja excesso de auditorias.

“Muitos reclamam que o Governo estaria fazendo muitas auditorias, mas é preciso que auditorias sejam feitas, não podemos esquecer o passado tão rapidamente. E, aliás, se tivemos quase 58% dos votos no Estado, foi em razão do nosso compromisso com a lisura e ética na administração pública”, disse.

“Não podemos somente pensar no passado. Temos que ao mesmo tempo trabalhar e pensar no futuro. Secretarias como a de Desenvolvimento, Infraestrutura e Segurança estão agindo nesses 100 dias. Temos que entender que estamos trocando a roda do avião, mas o avião não pode cair”, afirmou.

Segundo o governador, até a próxima semana, o balanço completo dos 100 primeiros dias serão divulgados à população.

No entanto, apresentou os primeiros números de sua gestão. Entre as ações em destaque, estão o pagamento de R$ 30 milhões aos municípios referentes ao Fethab; R$ 35 milhões, também aos municípios, referente à Saúde; diminuição de 45% do índice de homicídio em Várzea Grande; e obras de tapa-buraco em 80 km de estradas.

“Tudo é urgente, porque, infelizmente, os últimos anos foram de incompetência na administração. Mas nós já admitimos 650 policiais militares, por exemplo. No mês de agosto serão mais 700 PMs, porque precisamos de polícia na rua. Mas segurança não se faz somente com polícia, é também a prevenção”, disse.

“Os índices desses primeiros 105 dias já revelam que estamos no caminho certo. Em Várzea Grande, tivemos mais 45% de queda nos homicídios nos últimos 100 dias. E no Estado todo, o índice de homicídio tem caído bastante. Fizemos durante 105 dias, 45 operações da Polícia Militar e Civil no Estado todo”, afirmou.

Por fim, Taques disse que o Estado “não está quebrado” e que muito ainda deve ser feito, apenas no primeiro ano de sua gestão.

“Como posso pedir paciência para o produtor que tem as estradas em piores condições como nesta região? Como posso pedir paciência para o cidadão que tem um filho que está perigando morrer com falta de um médico? Como governador, não posso pedir essa paciência, tenho que trabalhar muito. E nós resolveremos esses problemas, tenho compromisso com o povo desta terra”, completou.

 

 

Douglas Trielli 
Da Redação

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário