16/04/2015 - Luta pela terra vira caso de polícia em Santa Terezinha com ameaças e mortes

Mato Grosso é o segundo estado com maior número de mortes por causa de conflitos no campo. De acordo com o último levantamento da Comissão Pastoral da Terra, foram cinco mortes em 2014. Normalmente, as vítimas já estavam sendo ameaçadas há algum tempo. No flagrante mais recente, policiais militares intimidaram moradores de um assentamento na divisa entre Mato Grosso e Pará.

Imagens feitas em Santa Teresinha, no extremo norte de Mato Grosso, mostram um assentado conversando com um policial militar do Pará. Os PMs são acusados de tentar forçar as famílias a saírem da região. Foi registrado um Boletim de Ocorrência por ameaça.

Um processo corre na Justiça para saber de quem é a posse da terra, ocupada por 78 famílias desde 2008. A terra produz e gera riquezas, mas também causa conflitos.

O relatório da Comissão da Pastoral da Terra aponta que o número de pessoas assassinadas no Brasil por conflitos no campo cresceu de 2013 para 2014, passando de 34 para 36. O estado do Pará lidera a lista com nove mortes. Em seguida, está o estado de Mato Grosso com cinco mortes registradas no ano passado.

“Essas pessoas que foram assassinadas já eram ameaçadas de morte. Hoje, se não tiver uma estrutura que possa vetar ou tentar bloquear o avanço da injustiça, essas pessoas poderão morrer logo”, diz Paulo César Moreira, coordenador da Comissão Pastoral da Terra.

São dramas como o de um trabalhador rural que, por medo das ameaças que sofre, preferiu não ser identificado. “Quando a gente tá...Vai do acampamento pra cidade, a gente nunca vai só. A gente tem situações que a gente nem pra tomar banho a gente não quer ir só. A gente procura ir em grupo. Porque é uma situação muito complicada”, diz.

Sobre as ameaças apontadas na reportagem, a Polícia Militar do Pará disse que irá avaliar as imagens. Só depois se pronunciará sobre o caso.

 

 

Hora 1
Cristina Mayum

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário