16/05/2016 - Taborelli pode ser cassado por quebra de decoro

16/05/2016 - Taborelli pode ser cassado por quebra de decoro

Após o deputado estadual Pery Taborelli (PSC) causar tumulto na reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Obras da Copa da última quarta-feira (11), alguns deputados articulam para ingressar com representação na Comissão de Ética da Assembleia Legislativa por quebra de decoro parlamentar.
Durante a oitiva do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), o deputado pediu a palavra e chamou a testemunha de ladrão.

Taborelli ainda discutiu com o presidente da Comissão, Oscar Bezerra (PSB), quando sua fala foi interrompida. No mesmo dia, cancelou a sessão vespertina por volta das 18h30 sem esperar os colegas que estavam em outras atividades se dirigirem ao plenário.

Ainda descontente com o fato de ter sido retirado da reunião da CPI, Taborelli voltou a enfrentar o deputado Oscar durante a reunião do Colégio de Líderes que tratou do pagamento da Revisão Geral Anual (RGA) aos servidores do Estado na quinta-feira (12). O episódio foi testemunhado pelos secretários estaduais Júlio Modesto (Gestão), Paulo Taques (Casa Civil), Marco Marrafon (Planejamento) e Paulo Brustolin (Fazenda), o que de acordo com os colegas trouxe constrangimento ao Legislativo.

Também em outra reunião da CPI das Obras da Copa no dia 29 de março, o parlamentar atacou verbalmente o ex-secretário da Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa) Maurício Guimarães. Taborelli afirmou que o ex-chefe da pasta “merece o inferno” por conta dos crimes que possivelmente teria praticado na época que estava a frente da gestão da pasta.

Em abril de 2015, em uma discussão com o deputado Romoaldo Junior (PMDB) no decorrer de uma sessão plenária Taborelli colocou a mão na cintura para mostrar que estava armado. O clima esquentou mais ainda quando o assessor jurídico, ex-deputado Chico Monteiro, interveio para acabar com a confusão e acabou tomando um empurrão.

A solicitação para que ele seja investigado pode ser apresentada por qualquer deputado e deve ser aprovada em plenário. A Comissão de Ética pode recomendar punições que incluem advertência pessoal, advertência em plenário, suspensão do mandato e até a cassação. Atualmente é presidente da Comissão o deputado estadual Gilmar Fabris (PSD), e atuam como membros, Saturnino Masson (PSDB); Mauro Savi (PSB); Oscar Bezerra (PSB); Zé Domingos Fraga (PSD).

 

 

Janaiara Soares, repórter de A Gazeta

Comentários

Data: 16/05/2016

De: XICO

Assunto: PALHAÇADA

CARA ACHA QUE ELE TA NO QUARTEL COM SOLDADOS,ESSE TABORELLI BOBAO..

Novo comentário