16/07/2012 - Dom Pedro Casaldáliga é 100% coerência e paixão da cabeça aos pés

 

Missionário da Ordem dos Claretianos, o catalão dom Pedro Casaldáliga, 77 anos, está à frente da prelazia de São Félix do Araguaia (MT) há mais de 30 anos. Foi o primeiro a denunciar a existência de trabalho escravo no Brasil, em 1971. No mesmo ano divulgou a primeira carta pastoral, "Uma Igreja da Amazônia", em conflito com o latifúndio e a marginalização social. A partir dessas denúncias, a prelazia tornou-se referência para os movimentos de oposição à ditadura, mas também foi alvo de ataques pelo fato de ser encarada como foco da guerrilha. Dom Casaldáliga foi preso e torturado pelos militares.

 

O Repórter do Araguaia entrevistou dom Pedro que nas suas sábias palavras respondeu todas as perguntas com seu senso de humor e sempre contundentes e a serviço dos mais fracos.

O Repórter do Araguaia O Senhor está satisfeito com a escolha do novo bispo Dom Adriano Ciocca Vasino que era Bispo em Floresta, Pernambuco?

Casaldáliga – Plenamente satisfeito ele é um bispo do povo, para o povo e com o povo. Acho que a prelazia sempre esteve em evidência porque aqui de fato estouraram inúmeros problemas indígenas e fundiários. Isso marcou bastante. Pedíamos então a Deus que o escolhido tivesse a disposição e o compromisso de encampar e continuar estas lutas. Neste sentido, não poderia ver escolha melhor que a do bispo Dom Adriano. Um dos compromissos é a causas indígena, da terra e da solidariedade entre os povos da América Latina. É uma esperança, uma benção para prelazia.

 

O Repórter do Araguaia Durante o período que antecedeu à escolha do novo bispo de São Félix, o medo e a esperança também foram sentimentos muito presentes. Havia, por exemplo, o temor de que o escolhido fosse de uma linha de ação diversa da que deu notoriedade à Prelazia. Hoje, como o senhor avalia a escolha do bispo Dom Adriano Ciocca Vasino que era Bispo em Floresta, Pernambuco?

Casaldáliga Confio na caminhada as ações de Dom Adriano

 

 

O Repórter do Araguaia Foi uma surpresa para o senhor essa indicação de Dom Adriano?

Casaldáliga Não foi surpresa, quando recebi a noticia foi uma alegria

 

Pelo que o senhor já conhece da diocese de São Félix do Araguaia, quais os principais desafios que Dom Adriano enfrentará?

Casaldáliga A criação de comunidades o problema que existe em nossa região e em todo Brasil é o caráter flutuante do povo.

 

O Repórter do Araguaia O senhor se notabilizou pela defesa de índios, posseiros e peões. Diante de tantas transformações econômicas e tecnológicas, como imaginar o destino destes grupos? Ainda há lugar para eles?

 

O Repórter do Araguaia Muitas das questões que se tornaram bandeiras da prelazia têm relação direta com modelos de desenvolvimento. Como o senhor se posiciona diante do futuro da região?

Casaldáliga É preciso pensar a região, pensar o centro-oeste, pensar o cerrado. O cerrado tem sido considerado como se fosse algo sem valor, quase um deserto. Quem diz isso não imagina a quantidade de espécies que o cerrado tem. A preocupação de muitos e minha também é que o Estado de Mato Grosso hoje pensa exclusivamente no latifúndio travestido de agronegócio e em monoculturas de soja e algodão. A monocultura é, na essência, depredação. A natureza é pluricultural. Tenho certeza que, se quiserem fazer do cerrado uma infinidade de soja e latifúndios, acabou. Nenhum país moderno tem latifúndios.

 

O Repórter do Araguaia A questão indígena?

CasaldáligaNos últimos anos, têm-se criado vários debates sobre os povos indígenas. Fazer de um rio uma fronteira é um absurdo para os índios, o rio nunca é uma fronteira, um rio é uma estrada. Mas tudo é muito demorado. Um conflito que foi denunciado em 1971 entre a empresa Suiá Missu e os índios xavantes pela posse da terra teve um princípio de definição agora em 2012, maio passado, 41 anos depois. A decisão judicial resulta de uma ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal, decidiu que a fazenda Suiá Missu, no distrito de Estrela do Araguaia (Posto da Mata).

 

O Repórter do AraguaiaO senhor se notabilizou pela defesa de índios, posseiros e peões. Diante de tantas transformações econômicas e tecnológicas, como imaginar o destino destes grupos? Ainda há lugar para eles?

Casaldáliga - O lugar do posseiro é a terra. O lugar do peão também, mas como trabalhador rural, com carteira assinada e lugar digno para comer ou dormir. O lugar do índio é sua aldeia. Agora para isso você tem de organizar o país todo. Se você aceita o latifúndio de qualquer tamanho, você não irá respeitar a terra do posseiro, nem tampouco a terra do índio. O latifúndio sempre terá mais força. O Brasil tem de fazer a reforma agrária verdadeira, com infra-estrutura, incentivos e acompanhamento técnico. Do contrário todos voltam à cidade. É por isso que quase 75% da população da América Latina está nas cidades, que por sua vez estão cada vez mais inchadas. Acho que temos pensado demais o campo e a cidade como se fossem duas humanidades distintas. Quando se fala em reforma agrária, o povo da cidade deveria pensar: “essa é uma causa nossa”. Da mesma forma, o povo do campo deve encampar como seu o tema da reforma urbana. Estamos sobre a mesma terra. Terra para plantar, terra para morar”.

 

 

O Repórter do Araguaia O Senhor está feliz pelo filme sobre sua vida?

Casaldáliga No começo fui contra, porque não seria um filme de protagonismo exclusivo, mas depois aceitei e fiz questão de não me meter pela liberdade e confiar nos atores do filme. É baseado no livro “Descalço Sobre a Terra Vermelha”

 

 

O Repórter do Araguaia Dom Pedro conheceu Maria Villas Bôas quando São Félix era município de Barra do Garças ?

Casaldáliga Sim conheci e tenho muita compreensão e respeito pela sua história que hoje vive em precariedade.

 

 

O Repórter do Araguaia Sabe-se que Maria Villas Bôas formou uma família com Leonardo Villas Bôas e recentemente ela foi excluída do filme Xingú “A Saga Dos Irmãos Villas Bôas” que conta a história dos irmãos Villas Bôas Claudio, Orlando e Leonardo para o senhor é justo contar uma história deixando uma das principais personagens fora?

Casaldáliga Não é justo, pois se por um lado querem fazer um trabalho verdadeiro, não deixa fora uma pessoa histórica e Maria Villas Bôas fez parte da história de Leonardo e isso não poderia acontecer deixar uma das peças do filme de fora, eu não tive um relacionamento direto com os Villas Bôas, pois não tive oportunidade de trabalhar na parte do Xingu, área reservada de índios.

 

 

O Repórter do Araguaia Maria Villas Bôas chora quando fala da filha Marina que segundo ela foi levada para São Paulo para estudar quando criança com a promessa de que viria todas as férias rever, e isso não aconteceu, e hoje sonha em poder pelo menos rever a filha Marina, que disse não querer rever e não considera como mãe, para o senhor o que leva um ser humano não saber perdoar?

Casaldáliga Falta de realismo de reconhecer a verdade histórica, e saber perdoar é na medida em que receba o perdão, falta de amor, quando se ama é capaz de perdoar e perdoar sem limites, se você tem alguma mágoa ou alguém tenha uma mágoa contra ti, deixa tua oferenda no altar e primeiramente reconcilia consigo mesmo, Deus ama mais a reconciliação do que as oferendas.

 

 

O Repórter do AraguaiaO caso Carlinhos Cachoeira?

Casaldáliga Não é apenas um político o culpado, mas sim a classe política, quando começa ver nomes e rostos se pergunta: “Fica alguém”?

 

O Repórter do AraguaiaA ficha limpa?

Casaldáliga Todas as fichas de políticos são sujas

 

O Repórter do Araguaia E para terminar, Se tivesse uma palavra, uma frase que traduz Dom Pedro qual seria?

Casaldáliga Esperança

 

 

Vanessa Lima/ O Repórter do Araguaia

Comentários

Data: 17/07/2012

De: Kalixto Guimaraes

Assunto: CENSURA POR QUE!?

FICO TRISTE EM NÃO PODER EXPRESSAR MINHA OPINIÃO A RESPEITO DAS ATIVIDADES ILEGAIS DO HERETICO BISPO CASALDALIGA, EM NOSSO PAÍS. LAMENTAVELMENTE, OS GRINGOS DEITAM E ROLAM NAS TERRAS TUPINIQUINS, GRAÇAS AS NOSSA SANTA HOSPITALIDADE. SE ESTE RESPEITADO SITE, TEM O IDENTIFICADOR DOS INTERNAUTAS, PEÇO QUE PUBLIQUEM MEUS COMENTÁRIOS, POIS, SEMPRE ASSUMI AS MINHAS OPINIÕES AQUI PUBLICADAS.

Data: 18/07/2012

De: Vanessa Lima

Assunto: Re:CENSURA POR QUE!?

Amigo nada contra as suas opiniãos respeito pode ter certeza disso você me conhece, mas é que temos regras no site que na verdade não sou eu quem administro e sim Ida Aguiar que foi a pedido meu que tirassem não só os seus mas todos os comentários que conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor, nos desculpar, mas são regras e com todo respeito e carinho que tenho a sua pessoa.

E pode continuar fazendo os seus comentários, mas desde que esteja dentro das regras.

Abraços

Data: 17/07/2012

De: kALIXTO Guimarães

Assunto: MISÉRIA CINEMATOGRÁFICA

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do “O Repórter do Araguaia”. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site “O Repórter do Araguaia”, poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Data: 17/07/2012

De: njbispo

Assunto: hipocrisia

Hipocrisia,meus caros jornalistas, este discurso facil,que visa atender ao interesse internacional,nao condiz com a situaçao de miseria que esta s eimpondo vale do araguaia ,seja na figura de seus indios,camponeses,pequenos ,medios e grandes fazendiros.
nao devemos ter vergonha em termos aptidoes,agronecio e uma aptidao,asssim como o sacerdocio, trata-se de uma vocaçao.graças a deus a temos ,e podemos tirar muitos da miseria,preocupa'cao mao muito presente nas açoes contra tarbalhadores do acampamento mae maria,d pedro e estrela do araguaia,onde tenta se perpetuar um afraude sem precedentes

Novo comentário