16/07/2014 - Tributo ao jornalista Calixto Guimarães

De cabeça

Suiá-Missú morre pela segunda vez. Agora, porque o coração de Kalixto Guimarães não bate mais. Antes, por conta da corrente antinacionalista que expulsou milhares de brasileiros daquela área, que em sua região, no Araguaia, é mais conhecida como Fazenda do Papa.

Na frieza de uma página da internet leio que na tarde da segunda-feira, 14, um tiro acidental de espingarda fechou para sempre os olhos do jornalista, escritor, músico, compositor e figura humana exemplar Kalixto, na zona rural de São Félix do Araguaia.

Nos meios jornalísticos Kalixto foi uma das poucas vozes em defesa dos posseiros de Suiá-Missú. Ao empunhar essa bandeira, foi isolado pela classe política, porque político teme se solidarizar com causa que gere desgaste perante os ditos formadores de opinião pública que coabitam nas entranhas da mídia brasileira consciente ou inconscientemente atrelada aos interesses internacionais.

Nunca vi um de seus textos ousados, realistas, verdadeiros, puros e carregados nas cores verde e amarelo serem lidos no plenário da Assembleia Legislativa. Sua causa não ganhava ressonância na mídia porque suas matérias colocavam os interesses nacionais acima da avidez por dinheiro que move jornalistas.

"Não quero que você descanse em paz, pelo menos até que o Brasil se reencontre com a brasilidade"

Grande Kalixto! Do Além, saiba que muito admirei sua luta e que, mesmo pequeno e fraco, meu pensamento sobre a antiga Fazenda do Papa é semelhante ao seu. A diferença entre nós fica por conta de meu texto limitado enquanto o seu irradiava saber. Muito me alegrei em 30 de junho deste ano ao receber um e-mail seu sobre a edição Nº 40 da Revista MTAqui, no qual você escreveu: "Cordiais cumprimentos Brigadeiro MTAqui!!! Esta edição chegou em boa hora com o destaque sobre a BR-158... Pulmão do Araguaia! A sua caneta dourada tem sido a única dentre as tantas da artilharia do jornalismo mato-grossense, que vem tendo a coragem de mirar na verdade dos fatos sem medo de atingir as trincheiras do inimigo".

Por maior que seja sua derrota (minha também) no desfecho da antiga Fazenda do Papa que virou terra indígena Marãiwatsédé, ela não significa desonra nem fracasso. Ao contrário, lhe confere o galardão dos guerreiros dos bons combates e sempre o fará lembrado - até mesmo pelos algozes dos ex-posseiros - na condição de homem digno, que se pautava pela razão, pelo humanismo e o amor pátrio.

A antiga Fazenda do Papa é fato consumado. Dela resta a desgraça coletiva que se abate sobre milhares de brasileiros de mãos calejadas, de crianças indefesas, de portadores de necessidades especiais, de mulheres, de idosos, de jovens. Dela sobra esse triste mosaico social que vegeta sem hoje e amanhã em Alto Boa Vista e região. Dela fica o grande legado de sua luta.

Tenho plena convicção que no amanhã teremos novos despejos ou desintrusões, como dizem os juristas. Jarudore tem os dias contados para ser riscado do mapa. Quando isso acontecer, a soldadesca repetirá o que fez na antiga Fazenda do Papa demolindo a vila Estrela do Araguaia e a zona rural na área transformada em terra indígena. 

A diferença do ontem para o amanhã sombrio que nos espera é que o povo mato-grossense não terá a sua - essa sim - caneta dourada. Do lado de cá da vida estendo-lhe a mão, por mim, por minha mulher, meus filhos, minha nora, minhas netas e, se me permitem, pela população consciente de Mato Grosso.

Não quero que você descanse em paz, pelo menos até que o Brasil se reencontre com a brasilidade. Ao contrário, espero que seu espírito irrequieto mova anjos, arcanjos e querubins, e que as legiões celestes levem até Deus o preito que norteou sua vida. O Senhor haverá de atendê-lo. Depois dessa vitória, que sua alma repouse entre as estrelas e que seu fulgor seja visto pelas famílias de todos os até agora injustiçados pela política do entreguismo nacional. Que nesse amanhã de glória os pais digam aos filhos: "Pra ver a estrela Kalixto é preciso levantar a cabeça".

Levante a cabeça, Mato Grosso!

 

Escrito por Eduardo Gomes/Revista MTAqui

Comentários

Data: 17/07/2014

De: Monica A Fin

Assunto: Simplicidade

Talvez.... poucos vão intender: Calixto estava no lugar errado... na hora errada... era o dia dele... poderia ter evitado... sei lá da para entender??? Entre o Céu e a Terra existem muitos mistérios, só Deus Pai o Todo Poderoso para explicar e julgar. Em mim a imagem que fica é daquele Violeiro de passos firmes no Festival da Canção em São Félix do Araguaia, de grandes e inesquecíveis canções em noites maravilhosas de grandes temporadas na Praia do Moro, quem não lembra? Nota 10. Aos familiares, amigos e anônimos Calixto deixou a marca da Saudade...

Data: 16/07/2014

De: Luis Gonzaga Domingues

Assunto: Politica

As pessoas que praticam o mal Terra muitas tem seu destino antecipado. No mundo globalizado do Capitalismo podemos afirmar que um defensor desse modelo no mínimo faltava-lhes conhecimento para ficar dizendo que era nacionalista. Por que quem defende o Capitalismo Selvagem brasileiro jamais vai ser a favor da teoria do nacionalismo. Até porque o latifundúndio convive muito com a desigualdade social e com a miséria do povo brasileiro. Aliás, é a favor da concentração de terra na mãos de poucos. Portanto, é um discuro contraditório. Os ladifundiários da região não estava e não estão procupados com os pobres.

Data: 16/07/2014

De: Um pensador.

Assunto: Comentário.

Parabéns nobre jornalista Eduardo Gomes/Revista MTAqui
por tuas palavras maravilhosas em tributo a Calixto Guimaraes.


Data: 16/07/2014

De: Laranjinha

Assunto: Kalixto a Lenda

Amigo Kalixto da Ilha do Bananal, do Rio Araguaia, do Rio das Mortes, dos festivais de praia e canções, das lutas pelas terras, estradas e o progresso do Vale do Araguaia. Tivemos alguns momentos preciosos, de intensas conversas nos bons tempos que viajava pela região. Saudades, que Deus te receba e que conforte o coração dos familiares.

Data: 16/07/2014

De: BRASILIDADE

Assunto: CALIXTO

Para o Brasil reencontrar a sua brasilidade é preciso fazer justiça com os verdadeiros donos do Brasil, OS ÍNDIOS.

Data: 16/07/2014

De: a hora da mudança

Assunto: opiniao politica

Não tenho dúvida, como cidadão, que trabalhando no 12 e "cortano " no 12 o resultado virá. É a cara do MT.

Novo comentário