16/08/2016 - Após se tornar médica, filha de gari agradece apoio do pai: 'Melhor amigo'

16/08/2016 - Após se tornar médica, filha de gari agradece apoio do pai: 'Melhor amigo'

Realizada no sonho de se tornar médica, a goiana Aline de Castro Pereira, de 27 anos, atribui a conquista ao esforço do pai, o gari Tales Pereira, de 63 anos, para que ela estudasse em boas escolas e se formasse no curso, em Goiânia. No entanto, mais do que o suporte financeiro, ela destaca que ele sempre foi seu principal companheiro. “Ele é o meu melhor amigo, a pessoa que me incentivou a continuar todas as vezes que eu pensei em desistir. Não conseguiria sem ele”, afirmou em entrevista ao G1.

A jovem conta que sempre sonhou em ser médica, desde antes de a mãe, ser diagnosticada com câncer no estômago e morrer por causa da doença, quando tinha ainda 35 anos. O pai assumiu os cuidados da filha, com 9 anos na época, com ajuda de parentes e decidiu mantê-la na escola particular na qual a mãe havia matriculado para que ela tivesse uma boa base de estudos.

“Quando ela começou a estudar, a minha esposa colocou ela no jardim em um colégio particular. A mãe dela adoeceu, faleceu e eu não tirei. Era uma escola boa, católica e ela ficou lá até o final do ensino médio, então ela teve uma base boa. Ela é guerreira”, disse Tales em entrevista ao G1.

 

Tales Pereira, de 63 anos, afirma que valeu a pena todo o esforço para realizar sonho da filha Goiânia Goiás (Foto: Reprodução/Studio Onze)

Tales afirma que valeu a pena todo o esforço para realizar sonho da filha (Foto: Reprodução/Studio Onze)

 

Antes de passar em três faculdades para o curso que desejava, Aline conta que fez três anos de cursinho em diferentes colégios da capital, todos pagos pelo pai, que ganha um salário de pouco mais de R$ 2 mil, mesmo depois de trabalhar por 33 anos no Departamento de Poda e Extirpação da Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg).

“Em uma época, chegou a ficar apertada a mensalidade, uma sobrinha minha nos ajudou. Manter ela em bons colégios eu consegui também com ajuda de uma pensão que ela recebe por causa da morte da mãe. O sonho da mãe dela também era vê-la formada, tanto que eu deixei ela, desde pequena, em uma escola boa, daí fomos levando”, contou.

 

Ele é o colo que eu precisava para ir para frente"

Aline Castro, médica
 

A primeira faculdade para a qual ela passou era particular e Tales recebeu uma ligação da instituição de ensino informando o valor da mensalidade. “Ela passou em 3º lugar, há 9 anos. Me ligaram dizendo que a mensalidade era R$ 3.330 e eu falei ‘isso não é para ela não, isso é para filha de Zezé, filha de Maguito, ela é filha de gari’”, lembrou.

O retorno do esforço de pai e filha veio três anos depois, quando ela foi aprovada na Escola Superior de Ciências da Saúde, no DF, na Universidade Federal do Tocantins (UFT) e Universidade Federal de Goiás (UFG), onde fez o curso.

“Lembro que eu já tinha feito até uma procuração para um tio meu que mora em Palmas (TO) para ele fazer a matrícula para mim, quando saiu o resultado da UFG. Meu pai ficou escutando um radinho de pilha esperando sair o resultado, bem à moda antiga, mas eu olhei e falei para ele e comemoramos, foi muito emocionante”, disse a filha.

Companheiro

Aline lembra que, mesmo depois que entrou para a faculdade, passou por momentos complicados do curso e que seu pai foi quem lhe deu apoio e força para que ela continuasse se esforçando.

“Quantas vezes eu cheguei chorando em casa. Durante a faculdade tem muitos períodos que são muito difíceis, da vontade de desistir. Então, eu chorava pra ele e ele falava ‘olha é difícil, eu sei que é, mas você já chegou até aqui, o mais difícil já foi’. Então ele é o colo que eu precisava para ir para frente, e assim foi e assim é até hoje”, afirmou, emocionada.

A médica conta que o pai a acompanhou em todos os momentos da universidade, sempre incentivando e apoiando o sonho da filha.

“Tudo que ele podia fazer, tudo que estava ao alcance dele ele sempre fazia. Ele viveu a faculdade comigo de todas as formas que pode. Tinha estágio que eu precisava chegar às 4h e ele acordava às 3h15 comigo, me levava lá. Eu só saía 20h e ele ficava me esperando sair, sempre chegava cedo para me buscar. É um companheiro mesmo”, relatou.

 

Com primeiro salário, Aline já quer ajudar o pai e retribuir investimento nos esudos dela Goiânia Goiás (Foto: Vanessa Martins/G1)

Com primeiro salário filha quer retribuir investimento do pai nos esudos dela (Foto: Vanessa Martins/G1)
 

Retribuição

Depois dos seis anos de curso, Aline agora faz residência em clínica médica e, em seguida, vai se especializar em gastroenteorologia.  “Não me vejo fazendo outra coisa, se eu tivesse feito outro curso, não sei se estaria plenamente feliz como estou hoje. Eu estou começando a viver agora o dia a dia da profissão e é muito gratificante ver o paciente melhorar, ver que você pode fazer a diferença na vida de alguém”, pontuou.

Quando recebeu o primeiro salário, de quase R$ 3 mil, ela conta que ficou feliz em saber que poderia também ajudar o pai. “Quando eu recebi meu primeiro salário liguei para ele, eu fiquei chorando e ele emocionado também. Já fui ajudando, já coloquei um portão eletrônico na casa, pedi para ele deixar eu pagar algumas coisas aqui. No começo ele não queria deixar, mas fui convencendo. Primeira coisa que eu fiz foi comprar uma rede para ele, o primeiro presente foi esse”, lembrou.

Vendo a filha feliz no trabalho, e reconhecendo o esforço dele para que ela chegasse onde está, Tales comentou que também se sente realizado por vê-la concretizando seu sonho. “Eu sinto orgulho dela. Quando ela estiver precisando e eu estiver com vida, mesmo depois de casada, eu vou estar lá ainda para o que ela precisar. Pai não cria filho pra si. Ela diz que eu não vou ficar sozinho não. Quando ela conseguir comprar algum imóvel, vai me levar para morar do lado dela”, afirmou.

Aline reforça que faz questão que ele a acompanhe sempre. “Ele fala que não vai morar em apartamento, mas quando eu tiver o meu vou comprar um pra ele em baixo ou em cima do meu”, contou.

 

Aline de Castro, de 27 anos, afimra que conseguiu de formar em medicina graças ao esforço do pai Goiânia Goiás (Foto: Reprodução/Studio Onze)

Aline afirma que conseguiu se formar em medicina graças ao apoio do pai (Foto: Reprodução/Studio Onze)

 

 

 

Vanessa Martins Do G1 GO

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário