16/10/2015 - BB Pag - 12 empresas foram beneficiadas

A Delegacia Especializada de Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz), da Polícia Judiciária Civil, cumpre 78 ordens judiciais, entre mandados de prisão e busca e apreensão durante a Operação BB Pag, deflagrada nesta quinta-feira (15.10). Os mandados estão sendo cumpridos na capital e interior do Estado e nas cidades de Tubarão (SC) e Soledade (RS).

A ação tem o objetivo de dar cumprimento a 34 mandados de prisão temporária e 44 mandados de busca e apreensão domiciliar. Até o momento, 25 pessoas tiveram o mandado de prisão cumprido e duas foram presas em flagrante por posse ilegal de arma de fogo.

O trabalho está inserido na operação da Segurança Pública "Karcharias", deflagrada pela Polícia Civil de combate aos crimes de corrupção, contra a administração pública e tributários. Fazem parte da ação 25 equipes de policiais civis nas cidades de Cuiabá, Santo Antônio de Leverger e Primavera do Leste. Os mandados cumpridos em outros estados contam com o apoio da Polícia Civil da localidade.

As medidas buscam concluir as investigações iniciadas no ano de 2012, destinadas a apurar o vultoso desvio de dinheiro público do Governo do Estado de Mato Grosso por meio do Sistema Eletrônico disponibilizado pelo Banco do Brasil denominado BBPAG, que teria causado um rombo de R$ 101.123.118,61 aos cofres públicos.

Quando a fraude veio à tona, a Delegacia Fazendária deflagrou a operação “Vespeiro”, que resultou na prisão de 43 pessoas envolvidas no esquema relativo somente ao envolvimento de pessoas físicas, que na ocasião foi mensurado em mais de R$ 16 milhões.

Com o apoio da Controladoria Geral do Estado, se apurou que os desvios iam muito além daquele valor e que teriam sido efetuados em benefício de 12 pessoas jurídicas, dentre cooperativas, associações, sindicatos e empresas privadas. Assim, nova investigação foi instaurada visando apurar os recebimentos por essas pessoas jurídicas de desvios de mais de R$ 85 milhões.

As pessoas jurídicas investigadas no esquema são: Cooperativa de economia e crédito mútuo dos profissionais de contabilidade de Cuiabá (Coopercon), Associação dos servidores do Indea (Assin), Associação dos servidores do Intermat (Assister), Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Oficial de Mato Grosso (Sitomat), Sindicado dos trabalhadores do sistema agrícola, agrário e pecuário de MT (Sintap); Indatec, Instituto Bagari, LCA Fomento Mercantil, LD Fomento Mercantil, Assut, Siesc e Boa Fomento Mercantil.

Segundo a delegada Cleibe Aparecida de Paula, no transcorrer das investigações foram comprovados os recebimentos do dinheiro indevido tanto pelos gestores e demais funcionários das pessoas jurídicas como por seus familiares que acabaram usufruindo desse valor com a compra de imóveis, empresas, veículos e viagens.

Outras informações sobre a operação “BB Pag” serão repassadas após o interrogatório dos suspeitos. 

 

 

Redação da PJC/MT

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário