16/11/2015 - Rua do Rasqueado tem apoio da Secel e encerra edição 2015 em grande estilo

Todas as noites de quinta-feira a praça Caetano de Albuquerque, no calçadão da rua Galdino Pimentel, centro de Cuiabá, é tomada por centenas de pessoas que se divertem embaladas ao som dos mais legítimos ritmos mato-grossenses, o rasqueado e o lambadão 

 

Todas as noites de quinta-feira a praça Caetano de Albuquerque, no calçadão da rua Galdino Pimentel, centro de Cuiabá, é tomada por centenas de pessoas que se divertem embaladas ao som dos mais legítimos ritmos mato-grossenses, o rasqueado e o lambadão. A Rua do Rasqueado, projeto criado há mais de duas décadas pelo músico Milton Pereira de Pinho, o Guapo, mantém viva a cultura e a música popular regional e cumpre um antigo desejo do músico, de levar as manifestações artísticas da periferia para a área central da cidade.

 

Desenvolvida ao longo de 20 anos com algumas interrupções, a Rua do Rasqueado ganhou o apoio da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) e nesta quinta-feira (12) realizou a última edição de 2015 em grande estilo.

 

Uma estrutura mais adequada de som e luz deu mais qualidade ao projeto, prestigiado semanalmente por um público que chega a 700 pessoas.


“A Rua do Rasqueado é um projeto importante de valorização da cultura popular ao levar para o centro da cidade uma manifestação antes restrita aos bairros. Isso vem de encontro com as políticas públicas do atual governo focadas na democratização”, enfatizou Leandro Carvalho, secretário de Cultura, Esporte e Lazer.

André Romeu
Rua do Rasqueado, Centro de Cuiabá Rua do Rasqueado, Centro de Cuiabá
Para se manter fiel ao estilo, as atrações da Rua do Rasqueado são músicos mato-grossenses que valorizam, em suas composições, as coisas da terra. “As bandas são autorais, devem ter composições próprias e mostrar os valores regionais, nós prezamos muito isso”, informou Guapo.

 

“Os grupos são exclusivamente formados por músicos da Capital e Baixada Cuiabana. Considero um ato heróico por parte dos nossos jovens o fato de manterem o vínculo com a nossa cultura”, enfatiza o músico.


Surgido em 1993, o projeto da Rua do Rasqueado foi interrompido no ano seguinte e retomado dez anos depois quando o lambadão vinha ganhando força e popularidade. Em 2005, a Rua do Rasqueado foi novamente suspensa e voltou em 2012. Desde então, vem reunindo centenas de pessoas na praça a cada edição.

“O projeto manteve a sua originalidade. O objetivo é valorizar o que é nosso, os músicos, a dança, a sonoridade regional. Começou com o rasqueado, depois veio o lambadão e agora a lambadinha, que pode ser definida como um rasqueado mais suingado. Tudo isso junto é a legítima cultura da noite cuiabana”, ressalta Guapo.  

 

 

 

 

 

Redação 24 Horas News

 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário