17/03/2014 - Governo é irresponsável com atingidos por chuvas, dispara Jayme sobre estado de emergência

O senador Jayme Campos (DEM-MT) classifica de irresponsável a postura dos governos federal e estadual de não realizar intervenções preventivas nas regiões que todos os anos são atingidas pelas cheias em Mato Grosso e nos estados da região norte do país. Somente na capital Porto Velho (RO), segundo apurou a reportagem, os prejuízos já chegam a R$ 1 bi por causa da cheia do Rio Madeira.

De acordo com o senador, municípios estão isolados devido às péssimas condições de trafegabilidade de rodovias e por causa da destruição de pontes. Dezessete municípios do Estado já decretaram estado de emergência e enfrentam falta de abastecimento de alimentos, medicamentos, energia, água potável e combustíveis.

“O governo federal não se antecipa aos problemas, está sempre correndo atrás do prejuízo. Todos os anos é a mesma coisa. Recursos para prevenção a desastres não são liberados. Isso é uma irresponsabilidade. A BR 174, uma das mais atingidas, vai demorar para ficar pronta. O projeto se arrasta desde o ano passado. A obra foi delegada ao Estado, mas não existe nem a licença ambiental ainda”, criticou o senador em entrevista ao Olhar Direto.

Para o senador, não faltam recursos para obras preventivas. Ele cita a arrecadação do Fhetab (Fundo Estadual de Transporte e Habitação) como uma das fontes que poderia ser utilizada para evitar o que está ocorrendo com a população destes municípios.

“O Fhetab arrecada cerca de R$ 1 bilhão por ano. Em 2014 serão mais 900 milhões nos cofres do estado. Dinheiro não falta”, observa Jaime ao defender um amplo debate sobre a necessidade de investimentos prioritários e estratégicos ao Estado.

“A Transpantaneira, por exemplo, possui mais de 120 pontes de madeira. É preciso que sejam arrumadas pelo menos 50 pontes para que o turismo no Pantanal possa acontecer. Mas acho difícil que faltando menos de 90 dias esta situação seja revertida”, frisou.

Logo após a entrevista, Jayme usou a tribuna do Senado para analisar a assinatura dos contratos de concessão dos trechos da BR 163, entre Mato Grosso do Sul e Sinop, no Médio Norte. 

De acordo com o parlamentar, é temerário que as empresas concessionadas possam cobrar pedágio ainda este ano se cumprirem apenas 10% do empreendimento, como prevê contrato de concessão. 

 

Vinícius Tavares

Comentários

Data: 17/03/2014

De: Xarope

Assunto: Jaime

esse e outro vagabundo falando de outro sujo, olha a situação que ele deixou o estado.

Novo comentário