17/04/2011 - 11h:05 POLÍCIA JUDICIÁRIA CIVIL 169 ANOS Delegado que atuou no combate as milícias no RJ é o palestrante do 1º dia do Seminário de Inteligência

Coautor do livro “Elite da Tropa 2”, que inspirou o segundo filme “Tropa de Elite”, o delegado da Polícia Civil do Rio de Janeiro, Cláudio Armando Ferraz, 49 anos, é o primeiro palestrante do 2º Seminário “A Atividade da Inteligência de Estado e de Segurança Pública”, organizado pela Polícia Judiciária Civil, nas comemorações de seu aniversário de 169 anos de criação no Estado de Mato Grosso. Abertura do seminário acontece nesta segunda-feira, 18 de abril, no Centro de Eventos do Pantanal, Auditório das Borboletas, às 8 horas.

O delegado é um das personalidades convidadas para discutir a Inteligência, durante o evento da Polícia Civil.  Cláudio Armando Ferraz foi titular da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e de Inquéritos Especiais, a Draco, unidade que atuou no combate às milícias e quadrilha de policiais no Rio de Janeiro.

No seminário Ferraz vai abordar o tema “A experiência do Rio de Janeiro no combate às organizações criminosas milicianas como questões de Estado, dentro do painel “Inteligência de Estado”, coordenado pelo capitão de fragata, Fortunato Lobo Lameiras, Oficial Superior da Escola Superior de Guerra (ESG), do Rio de Janeiro. O capitão de fragatas auxilia a coordenação dos trabalhos do curso Superior de Inteligência Estratégias da ESG, do Ministério da Defesa.

Claudio Armando Ferraz é formado pela Escola de Formação de Oficiais da Reserva da Marinha. Tem formação no Curso Superior de Polícia Integrada, Curso de Especialização em Políticas Pública de Justiça Criminal e Segurança Pública, pela Universidade Federal Fluminense, entre outros.

Ferraz foi designado para criar, implementar e responder pelo expediente da Coordenadoria de Inteligência, no ano de 1999. Foi delegado chefe de operações da Divisão Antisequestro; Diretor da Divisão de Busca Eletrônica do Centro de Inteligência, da Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro, titular da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), onde desenvolveu trabalho de combate as organizações criminosas milicianas no Rio de Janeiro e participou das ações de tomada do conjunto de favelas do  Complexo do Alemão.

O delegado recebeu em outubro de 2010, Medalha de Devotamento, uma das homenagens instituída no início do século em agradecimento da Instituição àqueles policiais civis que se destacaram pela eficiência demonstrada em seu trabalho.

Continuando o debate da manhã, a agente a Polícia Federal Mônica Maria Ferreira Lacerda Barroso, aborda a “Contemporaneidade da Inteligência”. Mônica. A policial federal aposentada recentemente foi adida-adjunta na representação diplomática da Polícia Federal junto a Embaixada do Brasil em Buenos Aires, na Argentina, no período de janeiro de 2008 a março de 2010. Também atuou na Amex - Assessoria às missões no exterior da Coordenação Geral de Polícia Internacional (Interpol/DPF).  

Entre as diversas funções que exerceu, durante 8 anos, chefiou a Seção de Operações do Centro de Dados Operacionais, com a atribuição de Coordenar as operações de inteligência contraorganizações criminosas do narcotráfico, além de ma extensa formação como agente da PF.

O II Seminário “A Atividade de Inteligência de Estado e de Segurança Pública”, acontece nos dias 18 e 19 de abril, no Centro de Eventos do Pantanal, Auditório das Borboletas.

LUCIENE OLIVEIRA
Assessoria/PJC-MT