17/04/2015 - Lupi defende entendimento e garante que Taques não sai do PDT

O presidente do diretório nacional do PDT, Carlos Lupi, afirmou que o governador Pedro Taques (PDT) não deve deixar o partido. 


Em visita a Cuiabá, nesta quinta-feira (16), o dirigente disse que apesar do "assédio" de outros partidos, Taques já tem uma história consolidada no PDT.


“O nosso governador Pedro Taques não cai em canto de sereia. Ele já tem uma história no partido, seu único partido. Eu tenho certeza que não tem outra opção para ele, a não ser continuar aqui”, disse Lupi, que almoçou na residência do governador, no bairro Santa Rosa.

Lupi ainda defendeu um entendimento entre Taques e o deputado estadual Zeca Viana, presidente regional da legenda.


Ele pediu que ambos aparem as arestas internamente e não “pela imprensa”. Isso porque ele entende que as acusações de Zeca contra o governador “desgastou a relação” dos pedetistas.

“O que a gente precisa é encontrar uma forma de manter o respeito do partido para com ele, uma convivência harmoniosa. Taques não vê dificuldades para isso. E, agora, é o papel da direção nacional encontrar os caminhos”, afirmou.


“Essas divergências de opiniões entre o presidente do partido e o governador serão superadas com diálogo, com um debate democrático. Eu só peço que isso fique na discussão interna, não pública. Porque toda decisão pública desgasta a relação”, disse Lupi.

Ainda durante o encontro, Taques reclamou sobre o posicionamento nacional do PDT, em se manter na base da presidente Dilma Rousseff (PT). 


Ele chegou a dizer, em recente entrevista, que esse desencontro de posicionamento poderia levá-lo a deixar a agremiação.


“O Taques tem uma visão diferente da nossa, há algum tempo. Ele defende que já deveríamos ter rompido com a Dilma. Já com relação ao Caso Petrobras, deixamos claro que nossa posição é que sejam levados para a cadeia todos os ladrões. Mas não se pode confundir isso, transformando a Petrobras em vilã, quando, na verdade, a empresa é vítima.”, afirmou.

Segundo Carlos Lupi, um novo encontro com Taques está marcado para daqui 20 dias, em Brasília. Ambos devem discutir as movimentações da legenda no Estado para as eleições de 2016. 


Ele não descartou que o PDT tenha candidato próprio em Cuiabá. Caso isso ocorra, o nome deverá enfrentar o atual prefeito, Mauro Mendes (PSB), que apoiou a eleição de Taques.

“Vou voltar aqui em julho para ter um balanço do partido nos municípios, como estão as candidaturas próprias. Preparar o partido para as eleições, colocar as divergências em segundo plano e tocar o partido. Já fizemos o governador e, hoje, Mato Grosso, é o Estado mais importante do partido”, disse.


"Maior líder"


O deputado Zeca Viana acabou não participando do almoço entre Taques e Lupi. Isso porque, após encontro das principais legendas do PDT, na manhã desta quinta-feira (16), no Hotel Odara, Taques pediu para ter um "almoço privado" com Lupi. 

Nos últimos meses, um clima de instabilidade paira sobre o PDT, especialmente por conta de declarações do próprio Viana em relação à maneira como o governador estaria conduzindo os primeiros meses de sua gestão.


A vinda de Lupi a Cuiabá tentou amenizar as “rusgas” entre os dois e ainda evitar a saída de Taques do partido.


Após o fim da coletiva com Lupi, em conversa com a imprensa, Zeca Viana apostou que Taques não irá deixar o PDT.


“Ele vai sair de um partido, em que é líder absoluto, para ser submisso a outro? E a nossa relação não tem nada a ver com a governabilidade ou com o partido. Tenho compromisso com o crescimento do partido, e, como deputado, vou trabalhar para ajudar o Governo. Mas, quando tiver coisa errada, estarei pontuando. Vocês irão ver isso sempre”, resumiu.

 

 

 

Douglas Trielli 

Da Redação

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário