17/04/2015 - Maluf cita "Máfia da Comunicação" e Fabris fala em "CPI da Mídia"

Presidente da Assembleia reclamou da repercussão negativa de gastos dos deputados

 

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Guilherme Maluf (PSDB), se defendeu da repercussão negativa gerada pelo reajuste da verba indenizatória, que passou a ser de R$ 65 mil mensais a cada parlamentar.


Durante sessão nesta quinta-feira (16), ele responsabilizou os veículos de comunicação de Mato Grosso pela repercussão - e citou a existência de uma "máfia da comunicação".

“Ainda não temos nem três meses e minha gestão está se esforçando muito para fazer uma grande economia. No passado, foram gastos mais de R$ 30 milhões com comunicação. Nós vamos economizar mais de 30% nessa área”, disse.

 

“Mas todos esses esforços não agradam, porque essa Casa está economizando, devolvendo dinheiro ao Executivo. Nós não vamos ficar alimentando máfia da comunicação. Então, esse parlamento vai continuar assim, com cortes de despesas. Uma pena que temos que ficar desmentido essas inverdades”, afirmou.



R$ 17,2 milhões por ano


Por ano, cada deputado passará a receber R$ 780 mil, para gastos com transporte, alimentação, locação de carros e aeronaves e serviços relacionados à atividade parlamentar.

No total, os 24 deputados poderão gastar R$ 17,2 milhões anualmente com a verba. O valor foi reajustado em 85,7% (antes a verba era de R$ 35 mil mensais).


Maluf disse que os valores da verba indenizatória "não voltam" para os deputados. Além disso, ele negou haver verbas como o "fundo de aposentadoria".


“O deputado Eduardo Botelho vai dar uma coletiva mostrando o final do trabalho da reforma administrativa da Assembleia. São 25% de economia nos cargos comissionados nesta Casa”, disse.


“Aí vem periódicos dizer que o deputado tem mais de R$ 100 mil em dinheiro para gastar com contratação. São R$ 65 mil, e esse recurso não volta para o deputado, é feito com contratação é e mostrando quem são os contratados. Se no passado isso era embolsado por algum parlamentar, este terá que ser responsabilizado”, afirmou.

 

O presidente da AL afirmou, por fim, que esta é a gestão “mais transparente” do Poder Legislativo e que R$ 20 milhões "economizados do duodécimo" já foram repassados ao governador Pedro Taques (PDT).



CPI da mídia

O deputado Gilmar Fabris (PSD) disse que, de um total de R$ 380 milhões do duodécimo em 2015 da Assembleia, apenas 18% serão destinado aos deputados.


“A Mesa Diretora entregou ao Governo do Estado, em um ato inédito no Brasil, R$ 20 milhões de economia. Não deram tanta repercussão quanto estão dando a esses R$ 700 mil anuais. Parece até que não fizemos nada mais que nossa obrigação ao devolver R$ 20 milhões”, disse.


Fabris solicitou uma relação dos pagamentos feitos para veículos de comunicação nosúltimos quatro anos. Após esses dados, ele não descarta pedir a instalação da chamada "CPI da Mídia".


“Quero que o senhor me repasse dados dos últimos quatro anos, de o quanto foi repassado para a imprensa de Mato Grosso, até para que eu não cometa injustiça. Vejo falar que se gastava quase R$ 4 milhões com a imprensa”, afirmou.

 

 

 

Douglas Trielli 

Da Redação

 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário