17/12/2014 - Falhas levam Prefeitura a admitir implosão do Viaduto da UFMT

A Prefeitura de Cuiabá admitiu, em um documento enviado à Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa), que, se os problemas de drenagem da Avenida Fernando Correa não forem solucionados, a obra do Viaduto Clóvis Roberto (Viaduto da UFMT) pode ser implodida. 

“Esta notificação será protocolada também junto aos setores administrativos e jurídicos para que venham acompanhar e auxiliar na adoção de medidas que poderão chegar ao clímax de implosão do viaduto”, diz trecho do documento encaminhado à Secopa. 

Na última sexta-feira (12), parte da região no entorno do viaduto, próximo ao Shopping Três Américas, ficou interditada, Capital. 

O problema foi atribuído à falta de obras complementares, principalmente de drenagem, no Córrego do Barbado. 

O viaduto é um das obras do sistema VLT, constante do pacote de mobilidade urbana, que deveria ter sido entregues antes da Copa do Mundo.

A Secopa, por meio da assessoria, disse que a responsabilidade das obras era da Prefeitura, o que foi negado pelo secretario de Comunicação, Kleber Lima. 

“Não existe projeto de drenagem em nenhum metro da Avenida Fernando Correa para as obras da Copa, aprovado e nem em análise. É mentira da Secopa que eles tenham concluído o trabalho de drenagem no local”, disse Lima ao MidiaNews

De acordo com a notificação feita pela prefeitura, um documento também foi protocolado junto aos setores administrativos e será levado à Justiça, caso a Secopa não apresente o projeto de drenagem em 15 dias corridos.

O secretário municipal de Obras, Marcelo de Oliveira, afirmou que, caso a Secopa não atenda o pedido feito pela prefeitura, não terá outra alternativa a não ser ingressar com uma ação judicial contra a secretaria, o Consórcio VLT e as demais empresas envolvidas para que as obras sejam completamente refeitas. 

“Não sou eu e nem ninguém quem vai implodir, mas sim uma decisão judicial. Eu conheço Cuiabá de ponta a ponta e dizia sempre que um projeto de drenagem teria que ser feito, mas ninguém me ouviu. Chover e ver água subindo 10 ou 15 centímetro é normal, mas de um metro é demais. Alguma coisa de errado tem e eles tem que resolver”, afirmou Oliveira.

Segundo o secretário, desde 2013, a secretaria cobra o Projeto Executivo de Drenagem para a avenida, porém, até agora, nenhuma providência foi tomada.

“Estou, desde 2013, notificando eles e nada. Tenho até 10 testemunhas que comprovam isso. Uma obra daquele preço não pode ser deixada assim. Infelizmente, está entregue às traças ”, concluiu. 

Outro lado

A assessoria da Secopa informou que não irá se manifestar quanto às declarações da Prefeitura e do secretário Marcelo de Oliveira. 

Contudo, a secretaria informou que já notificou o Consórcio VLT, responsável pela obra, a apresentar uma explicação e soluções urgentes para sanar o problema.




 

 

Max Aguiar 
Da Redação