18/01/2016 - População tenta retomar rotina após ataques em São Miguel do Araguaia

18/01/2016 - População tenta retomar rotina após ataques em São Miguel do Araguaia

A população de São Miguel do Araguaia, no norte de Goiás, tenta retomar a rotina após a noite de terror em que criminosos explodiram duas agências bancárias fizeram reféns, e uma mulher acabou morta. Nas ruas do Centro, ainda é possível encontrar sinais da destruição causada pela série de ataques.

O comerciante Marcos Borges diz que todos estão muito assustados com a violência. “Nunca vivemos uma situação dessas e estamos aterrorizados. Já teve outros assaltos, mas nunca nessa proporção”, afirmou.

Dono de uma farmácia, Donizete Silva contou que, além do medo, também registrou prejuízos ao seu estabelecimento. “Eu estava em casa, mas, assim que terminou o tiroteio, fui até a minha farmácia para cuidar, já que as portas [de vidro] foram totalmente quebradas. Agora o jeito é seguir em frente”, diz.

Os ataques ocorreram na noite de quarta-feira (13). Segundo a Polícia Civil, um grupo chegou à principal praça da cidade, onde muitas pessoas estavam em bares e lanchonetes, e fez reféns. Enquanto isso, outros integrantes da quadrilha foram até as agências bancárias, sendo uma do Bradesco e outra do Banco do Brasil.

Um vídeo feito por testemunhas mostra o barulho das explosões dos bancos e o desespero da população. Áudios feitos por eles também registraram o ruído do intenso tiroteio.

A câmera de segurança de um dos bancos também registrou a movimentação de criminosos. Nas imagens é possível ver momento em que homens, com os rostos cobertos, invadiram e instalaram os explosivos em um dos bancos.

Após as explosões, os assaltantes abandonaram um veículo e fugiram usando outras motocicletas e carros. Eles chegaram a levar alguns reféns. Segundo a delegada Rafaela Azzi, todas as vítimas foram liberadas momentos depois.

Até a manhã desta sexta-feira (15), nenhum suspeito de integrar a quadrilha havia sido preso.

Vítimas
Segundo a Polícia Civil, pelo menos 15 pessoas ficaram feridas e foram levadas ao Hospital Municipal de São Miguel do Araguaia. Uma delas, a advogada Viviane Costa Ferreira, de 27 anos, que trabalhava como assessora na sede do Ministério Público da cidade, foi baleada e não resistiu aos ferimentos.

Testemunhas contaram que ela foi ferida enquanto voltava de uma fazenda com o namorado e passava de carro pela via pública. Um dos criminosos teria dado uma ordem de parada, mas a advogada engatou a ré e tentou voltar, mas o homem atirou.

No velório, familiares e amigos lamentaram a morte trágica de Viviane. “Ela era uma pessoa muito carinhosa, que tinha amizade com todo mundo. Ela tinha muitos sonhos para realizar e foi uma perda muito grande para nós”, disse a professora Solange Rodrigues.

“Ficamos muito preocupados com isso, porque a violência está cada dia mais tirando os nossos familiares, os nossos entes queridos. Estamos ficando presos dentro de casa e os bandidos seguem soltos nas ruas”, lamentou o servidor público Renato Florentino.


Assessora Viviane Costa Ferreira, de 27 anos, foi morta durante assalto a bancos em Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)Viviane Costa Ferreira, de 27 anos, foi morta em São Miguel do Araguaia
(Foto: Reprodução/TV Anhanguera)


Pessoas mantidas reféns por criminosos relataram os momentos de terror que viveram. Uma das vítimas, o servente de pedreiro Wanderson Alves, diz que foi usado como escudo por um dos assaltantes e acabou baleado durante uma troca de tiros.

“A gente estava tomando um sorvete lá na praça, quando um Fiat Uno chegou e desceram quatro homens que nos abordaram. Aí um me levou lá para cima, perto de um dos bancos, onde estava ocorrendo um tiroteio, e ele me colocou como escudo. Eles estavam trocando tiros com policiais militares. Cada bandido tinha um escudo”, relatou.

Já o comerciante Matheus Carvalho, que também estava entre os reféns, diz que os criminosos agiram com muita violência. "Eles já chegaram gritando e mandando todo mundo deitar no chão. Logo depois levaram todos para uma esquina. Enquanto isso, ouvíamos os barulhos das explosões dos bancos e de muitos tiros. Eram muitos bandidos no meio da rua", contou.

Investigação
Agentes do Grupo Antirroubo a Banco (GAB) e do Grupo Anti-Sequestro (GAS), da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic) estão em São Miguel do Araguaia e conduzem as investigações. Ainda não há informações sobre as quantias roubadas pelos assaltantes.

Segundo o delegado Gylson Mariano, pelo menos 20 homens fortemente armados, que estavam em quatro carros, participaram da ação criminosa. “Normalmente esse tipo de ação é feita por pessoas que se dedicam a esse tipo de crime. Não são estelionatários ou pessoas que decidem explodir um banco. Embora eles não tenham sido pegos ainda, a Polícia Civil tem uma série de suspeitos que serão investigados”, destacou Mariano.

Já a Polícia Militar destacou que foram encaminhados reforços para a região de São Miguel do Araguaia. O Comando de Operações de Divisas e o Grupo de Policiamento Tático realizam buscas nas principais rodovias que podem ter sido utilizadas como rota de fuga pelos assaltantes. A corporação pediu apoio para as polícias de Mato Grosso e Tocantins.

A assessoria de imprensa do Bradesco informou ao G1 que o  banco "está avaliando os danos ocorridos para reestabelecer o atendimento o mais breve possível".

Já a assessoria de imprensa do Banco do Brasil destacou, em nota, que a entidade "está à disposição das autoridades policiais para ajudar no processo de investigação".


Criminosos explodem duas agências bancárias, fazem reféns e matam mulher, em Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

 

G1/GO

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário