18/02/2014 - Flagrante: Rodovias do Norte Araguaia em péssimas condições (vídeo)

Chegar ou sair da região Norte Araguaia continua sendo um dos maiores entraves ao desenvolvimento local. E a equipe de reportagem percorreu duas destas vias de acesso, primeiro na antiga BR 080, atual MT 433, e depois a BR 158, e constatou as adversidades enfrentadas por quem precisa trafegar pela região.

A equipe comandada pelo diretor Ari Dorneles, contou com o apoio do cinegrafista Edson Oliveira. No Xingu, eles viveram o momento mais tenso da viagem, atolando em uma região isolada, ficando a mercê da boa vontade de quem por lá também se aventurar. “O atoleiro é inacreditável, em alguns momentos não da para acreditar que se trata de uma estrada”, desabafou Ari Dorneles.

O carro da equipe de reportagem ficou mais de trinta minutos atolado, logo após cruzar a balsa na reserva indígena do Xingu. “Nossa sorte foi que passou uma outra camionete e nos puxou”, contou Ari.

Nesta época de chuva fica praticamente impossível para carros baixos passarem pelo trecho de 80 quilômetros dentro da reserva, empresas que operam no transporte coletivo intermunicipal e usam a rodovia chegam a cancelar a linha ao longo dos meses de chuva.

Já na BR 158, mesmo com asfalto na maioria do trajeto, faltando ainda cerca de 170 quilômetros em estradas de chão, os desafios também são perigosos. Com as chuvas, o asfalto feito em Ribeirão Cascalheira não resistiu e esfarelou, abrindo verdadeiras crateras. “O asfalto, que foi feito a pouco mais de dois anos é de péssima qualidade, tem menos de dois centímetros de espessura”, relatou Dorneles, que filmou as manobras que muitos motoristas precisam fazer para desviar dos buracos. “O risco de acidente é enorme, muitas vezes precisamos invadir a mão contrária para desviar dos buracos. Perdemos as contas de quantos carros encontramos quebrados nos acostamentos, pneus estourados, suspenção que não suporta os impactos”, enfatiza Dorneles.

Em visita a Mato Grosso, a presidente Dilma Roussef (PT), disse que a ordem para a retomada das obras da BR 158 já foram publicadas e que as máquinas devem voltar ao Araguaia no segundo semestre deste ano. Enquanto isso, uma das maiores produções de grãos do estado terá que ser escoada mais uma vez por rodovias sem estrutura. “É inadmissível que uma região responsável pelo avanço das lavouras no estado continue contando apenas com migalhas dos investimentos federais”, concluiu Dorneles.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Pesquisas, Geografia e Estatísticas (IBGE), menos de 40% do trecho de rodovias federais da região são asfaltadas. Uma das menores médias do Centro Oeste.

 

Agência da Notícia com Redação 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário