18/08/2011 - 13h:55 Advogado preso na Asafe liderava quadrilha que aplicava golpe em MT

O advogado Max Weyzer Mendonça de Oliveira, que já havia sido preso na Operação da Asafe, desencadeada pela a Polícia Federal, com outros advogados envolvidos em venda de sentença do Tribunal Regional do Estado de Mato Grosso, foi preso novamente pela Polícia Judiciária Civil, desta vez por chefiar um esquema milionário de fraudes envolvendo nomes de pessoas mortas, contra uma agência bancária do município de Arenápolis (258 km a Médio-Norte).

Além dele, cinco pessoas foram presas e autuadas em flagrante pelos crimes de formação de quadrilha, estelionato, e uso de documento falso, falsidade ideológica.

Também foram presos na operação os idosos Adelaide Severino Gonçalves e José Facioli, Denivaldo Antônio de Santana, agenciador vindo de Goiânia (GO), responsável por conseguir documentos falsos e entregar ao advogado, e Jussara da Silva Trigueiro, funcionária do Banco do Brasil de Arenápolis.De acordo com o delegado Regional de Diamantino, Wilson Leite, até as 2h desta quinta-feira (18), a Polícia Civil ainda procurava por um sexto integrante, que deve ser preso nas próximas horas.

A investigação começou há dois meses pelo serviço de Inteligência da Polícia Judiciária Civil e do Banco do Brasil. Nas apurações, os órgãos de inteligência conseguiram detectar que a quadrilha tinha como “modus operandi” a falsificação de documentos públicos e particulares, e com auxílios de advogados e servidores do Banco do Brasil, tinham acesso as ações da Petrobras em nome de pessoas falecidas. “Como os familiares não tinham conhecimento dessas ações, a quadrilha falsificavam documentos dos falecidos e cooptavam idosos para se passarem por aquelas”, explicou o delegado Wilson Leite.

Em poder dos documentos falsos, os idosos e o advogado Max Weyzer Mendonça procuravam as agências bancárias do interior dos Estados, com participação de funcionários do Banco do Brasil, e recebiam montantes milionários. O grupo criminoso já agiu em Camboriu (RS), Minas Gerais e estavam em Mato Grasso, na cidade de Arenápolis, para aplicar o golpe milionário. Mas foram presos em flagrante.

A quadrilha de fraudadores fazia saques, transferência e venda de Ações de Bolsa de Valores. Um cliente de Porto Alegre (RS) foi lesado em cerca de R$ 600 mil. Ele investia na bolsa de valores, mas quando as ações eram vendidas, o dinheiro caia na conta da quadrilha aberta na agência de Arenapólis. Um montante de R$ 700 mil seria pago a quadrilha quando presos na operação.

A quadrilha liderada pelo advogado Max, tinha como canal a funcionária do banco Jussara. O advogado, ao ser preso, portava um documento falso em nome da vítima de Porto Alegre, mas com fotografia de um dos idosos presos.

Participaram da operação os delegados Wilson leite, Sérgio Paulo de Oliveira Medeiros, da Delegacia Municipal de Arenápolis, Wagner Bassi Junior, da Delegacia de Nobres e Romildo Grota, da Delegacia de São José do Rio Claro e dez investigadores de polícia.

 

Da Redação - Laura Petraglia

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário

OS COMENTÁRIOS É DE TOTAL RESPONSABILIDADE DOS INTERNAUTAS QUE O INSERIR. O REPÓRTER DO ARAGUAIA ONLINE RESERVA-SE O DIREITO DE NÃO PUBLICAR MENSAGENS COM PALAVRAS DE BAIXO CALÃO, PUBLICIDADE, CALÚNIA, INJÚRIA, DIFAMAÇÃO OU QUALQUER CONDUTA QUE POSSA SER CONSIDERADA CRIMINOSA. OS COMENTÁRIOS QUE CONTER NOS ITENS CITADOS ACIMA SERÃO EXCLUÍDOS. TODOS OS COMENTÁRIOS SÃO ARQUIVADOS ATRAVÉS DO IP E SERVIRÃO DE PROVAS CONTRA AQUELE QUE USAR ESTE MEIO DE COMUNICAÇÃO.