18/08/2012 - Duas pessoas morrem carbonizadas em acidente entre caminhão e Parati

Duas pessoas morreram carbonizadas em um grave acidente entre um caminhão e um veículo Parati ocorrido nesta quinta-feira (16) próximo ao quilômetro 365 da BR-174, em Nova Lacerda. 

Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal o caminhão conduzido por Vilson Ribeiro da Silva, de 36, seguia de Vilhena para Douradina quando colidiu frontalmente com a Parati, placas JTK-0695 de Várzea Grande, que seguia de Nova Lacerda para Comodoro.

De acordo com o condutor do caminhão, ele seguia no sentido decrescente da rodovia quando se deparou com a Parati que transitava na contramão de direção. O motorista do caminhão disse ainda que tentou desviar do veículo, mas não houve tempo suficiente. Os dois veículos colidiram frontalmente e a Parati acabou passando debaixo do caminhão. Após a colisão, os veículos incendiaram.

O condutor do caminhão foi levado para o Pronto Socorro de Nova Lacerda, mas não apresentou nenhuma lesão. Já os ocupantes da Parati morreram carbonizados e não foi possível identificá-los. Os bombeiros estiveram no local para controlar o fogo que se alastrou próximo à rodovia.

Vítimas permanecem sem identificação

Os peritos que estiveram no local do acidente encaminharam os vestígios ao laboratório de biologia molecular da POLITEC/Cuiabá para que sejam extraídas amostras de DNA recolhidas do fêmur dos dois ocupantes da Parati. Essas amostras serão mantidas em banco de dados para futuro confronto e identificação de grau de parentesco. Além disso, os restos mortais serão preservados em uma funerária de Comodoro.

A polícia civil fez contato com o antigo proprietário da Parati, Sr.Edilson dos Santos Alves, mas ele informou que o veículo foi revendido para o Sr. Ronilson, que mora na comunidade de Taquaral, próximo à Santo Antônio do Leverger, entretanto, não foi possível fazer contato com este. 

Familiares ou qualquer pessoa que possa ajudar a identificar as vítimas devem se dirigir à Delegacia de Polícia Civil de Comodoro que está presidindo o inquérito.

 

Da Redação - Laura Petraglia

Comentários

Data: 19/08/2012

De: JORGEALMADA

Assunto: VITIMAS!!!!

Soma-se a imprudência, a ingestão de álcool mais a confiança nos nossos carros inseguros, tem-se uma triste resultante: vítimas.
Os nossos carros inseguros:
Recentemente, tive a infelicidade de presenciar a morte de duas pessoas carbonizadas após colisão frontal entre dois automóveis. As chamas propagaram rapidamente consumindo um dos autos, vide foto, abaixo, em poucos minutos. Trabalhando há 30 anos como engenheiro químico, especializado em materiais – plásticos e borrachas, venho aqui denunciar que os testes de combustibilidade destes materiais plásticos e borrachas, feitos em laboratórios, nunca se aproximam de uma situação real. As borrachas são compostas por elastômeros e aditivos óleos minerais, sendo que estes últimos são altamente voláteis e combustíveis. E no Brasil o mercado de reposição( mercado paralelo) desconhece as normas de combustibilidade dos materiais. Os plásticos, mesmo os mais resistentes à propagação da chama, com aditivos antichamas, amolecem e derretem(gotejam) e acabam contribuindo para ampliar a área de queima(combustão) e depois passam ser combustível, acentuando a queima pela elevada taxa de evaporação do álcool. Os carros populares não possuem corte de combustível em caso de colisão, o que faz com que a bomba de combustível trabalhe , envie combustível e continue a alimentar as chamas; neste caso, as chamas chegaram a mais de 3 metros de altura. As engenharias buscam fazer autos mais leves, chapas de aço finas com objetivos de redução de peso(economia de combustível), redução de custos e energia de impacto. Cabe lembrar que as chapas têm que ter um mínimo de espessura pelo menos para suportar após a colisão uma estrutura suficiente para impedir a total desintegração do veículo. Nos carros populares no Brasil sentimo-nos como se estivéssemos dentro de uma lata de alumínio (refrigerantes), face à facilidade com que se amassam e se mutilam. No Brasil o carro popular custa muito caro, a margem de lucro é altíssima e nossas autoridades pouco cobram sobre a melhoria da segurança veicular. Os nossos automóveis são os mais caros do mundo. O lucro está acima da preservação da vida e se pessoas como eu não continuarem a insistir em divulgar nos meios de comunicação estes elementos e cobrar melhorias poucas coisas serão feitas ou se levará muito tempo para corrigi-las. Abaixo, acrescento uma normalização do Contran. Veja o absurdo a que ponto chegou. Estes Dados estão na Internet, fabricante de material plástico (ABS) para interiores dos automóveis. Em termos mundiais, o crescimento anual dos aditivos antichama é de cerca de 8-10% devido às grandes exigências impostas pelos órgãos governamentais em determinadas aplicações. No Brasil, o consumo ainda é considerado muito pequeno, pela inexistência de leis que regulamentem e exijam a utilização eficaz. Por exemplo, na indústria automobilística a exigência para a velocidade máxima de propagação do fogo nos revestimentos internos é de 80 mm/min. nos países desenvolvidos; esta exigência no Brasil, pelo Contran, é de 250 mm/min. Tenho assistido a inúmeros vídeos de veículos pegando fogo. Normalmente um carro popular quando inicia a chama na parte frontal do veículo leva aproximadamente 3 minutos para atingir sua parte interna (painel) e mais 4 minutos para concluir toda a combustão interna, ou seja: após 7 minutos o tanque já está em combustão. Estatísticas de Incêndios no Estado de São Paulo Corpo de Bombeiros Automóveis = 76 % Outros = 24% Fonte: A importância do Extintor veicular • Nonos Prevenção Online Quanto à resistência a colisão o Brasil todo já conhece o CRASH TEST e são poucos que cobram melhorias das performance quanto à preservação estrutural e/ou mesmo reforços estruturais e projetos mais seguros. Compra-se automóvel por beleza, luxo e design, etc., mas não se compra pensando em segurança.

JORGE ALMADA



Novo comentário