18/09/2015 - Família síria busca refúgio em Cuiabá

18/09/2015 - Família síria busca refúgio em Cuiabá

Família de refugiados sírios deixou sua cidade de origem, Damasco, devastada pela guerra que abala seu país há mais de quatro anos, e segue para Cuiabá. O grupo, formado por pai, mãe e duas filhas não sabe falar português, mas escolheu o Brasil para fugir do conflito que já deixou mais de 230 mil mortos. 

Idealizador de um grupo de ajuda em Cuiabá, o empresário Vagner Giglio, viu de perto as consequências da guerra no país árabe. Há 30 dias ele e sua esposa, Emili Ayoub Giglio, retornaram do Líbano, país vizinho a Síria com o sentimento da necessidade de fazer algo. Assim surgiu o grupo "Ajuda as famílias refugiadas", na rede social Facebook, que já reúne mais de 750 pessoas dispostas a ajudar. 

"Vimos in loco o que está acontecendo. Nós passamos 17 dias no Líbano, há 50 km da fronteira da Síria, e presenciamos milhares de refugiados na beira das estradas. O turista não percebe o perigo, mas vê nas pessoas que moram lá a preocupação e medo".

Vagner conta que todos estão sujeitos a violência causada pela intolerância religiosa de alguns seguidores do islamismo. "O Líbano tem maioria de sua população mulçumana e muitos sírios são cristãos e vão morrer ali, pois estão sendo perseguidos".

Fadi Bali tem formação em radiologia e Wafia Al Halabi é médica anestesista. Acompanhados de suas duas filhas, de 10 e 12 anos, Mirella Bali e Lida Balí devem chegar a Capital na próxima quinta-feira (24). 


Aqui, a família contará com o apoio do grupo de pessoas, solidárias ao sofrimento causado pela guerra, que levou destruição e pobreza ao país Sírio. Criado a pouco tempo, os participantes já conseguiram movimentar muitas doações, entre elas, um apartamento que garante a estadia da família na capital mato-grossense durante um ano. "A minha cunhada emprestou um apartamento para eles morarem por um ano, sem custo algum". O empresário afirma que com o fim do prazo de concessão da moradia não significará abandono da família. 

Apesar de já abrigados, os refugiados não tem móveis, roupas e principalmente emprego para permaneceram na cidade. Para isso, a ação continua. "Não aceitamos doações em dinheiro, buscamos doações de roupas, utensílios domésticos, como eletrodoméstico. Estamos coordenando as coisas para dar seriedade ao ato". O grupo também conta com o apoio do cônsul da Síria em Mato Grosso.

A dificuldade em trazer famílias que estão nas fronteiras é grande. Por esta razão, o empresário decidiu montar uma estrutura de acolhimento aos que chegam no Brasil. "Eles desembarcaram em São Paulo sem nada". 

União

O movimento " Ajuda as famílias refugiadas" é dividido em dois grupos de apoio; um conta com a participação de colaboradores de Cuiabá e outro de Campo Grande. A ponte entre os refugiados e ajuda humanitária é feita por um interlocutor em São Paulo. 

"Um sobrinho está coordenado em São Paulo e em dez dias de articulação estamos trazemos a primeira família para Cuiabá, temos muitas pessoas que têm boa vontade em ajudar". 

Vagner ressalta que o processo para trazê-los é cuidadoso. "Queremos que as crianças tenham escola e tentamos negociar, nem que seja em forma de estágio um emprego para os pais, até eles conseguirem a documentação para trabalharem". 

Em março deste ano a guerra na Síria completou quatro anos sem previsão de fim. O combate obrigou metade da população a abandonarem suas casas.

O levante popular contra o regime do país ganhou expressão militar e se transformou em uma guerra civil em que se enfrentam combatentes leais ao regime, diversos grupos rebeldes, frentes curdas e organizações jihadistas.


"Estão matando crianças, isso é um genocídio. Este é um problema mundial e todos nós temos que ajudar e pedir um basta a esta calamidade". 

Os interessados em ajudar podem entrar em contato através da página do grupo "Ajuda as familias refugiadas", na rede social Facebook.

 

Priscilla Silva, repórter do GD

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário