18/11/2015 - Estudantes de medicina são presos suspeitos de fraudar vestibulares

Quatro estudantes de medicina da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO) foram presos nesta terça-feira (17) suspeitos de fraudar vestibulares em seis universidades públicas e privadas de Goiás, Minas Gerais e do Distrito Federal. A Polícia Federal também investiga a participação de um deles no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2014.

Os investigadores informaram apenas que os jovens têm entre 19 e 23 anos e cursam o 2º semestre de medicina em Goiânia, onde moram. Eles foram presos nas próprias casas, onde também foram cumpridos mandados de busca e apreensão. Em seguida, os agentes os encaminharam à sede da Polícia Federal, onde prestam depoimento.

 

A investigação começou pela própria PUC-GO no mesmo dia em que as provas do processo seletivo que está em andamento foram aplicadas, no último dia 7 de novembro.

“Levantou a suspeita durante o procedimento de fiscalização porque eles se comportaram de maneira estranha, saíram rápido. E um deles levou um recorte de uma das provas, que já é uma burla do edital. Isso já levantou uma suspeita”, explicou o delegado regional de combate do crime organizado da Polícia Federal, Jocenildo Cavalcante.

Segundo a vice-reitora da PUC-GO, Olga Ronchi, de imediato, se instaurou uma comissão para apurar o caso. “Foi detectado forte indício de que havia alguma anomalia que feria inclusive o edital. A PUC nomeou uma equipe que trabalhou a partir daquele momento fazendo o cruzamento de dados e chegamos a indícios bem concretos de que havia um grupo para, provavelmente, uma tentativa de fraude”, declarou a vice-reitora.

Olga explicou ainda que os universitários se inscreveram no processo seletivo com os próprios nomes e como candidatos aos cursos de administração e zootecnia. Não há indícios da participação de funcionários da instituição no esquema.

 

O delegado acredita que os jovens se inscreveram para colher e repassar o conteúdo do exame a terceiros. “Eles ficam durante o período mínimo necessário para poder sair com o conteúdo em mãos e depois repassam a outras pessoas que faziam as transmissões dos conteúdos sigilosos aos beneficiados”, explicou Cavalcante.

Com os depoimentos, a corporação busca identificar possíveis beneficiados e outros integrantes da quadrilha. De acordo com a PF, os universitários também se inscreveram em processos seletivos de instituições em Brasília e em Ouro Preto (MG). Por isso, eles apuram se a participação deles foi criminosa nesses certames.

Como um dos suspeitos também se inscreveu no Enem de 2014, uma suposta fraude no exame é apurada. "Um deles participou do Enem de 2014, ja que ele está envolvido nesse tipo de fraude é um elemento para a gente aprofundar a investigação", disse Cavalcante.

Procurado pelo G1, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) não se pronunciou sobre a suspeita de fraude até a publicação desta reportagem.

Caso seja comprovado o esquema, os jovens serão indiciados por associação criminosa, que prevê de 1 a 3 anos de prisão, e por fraudes em certames de interesse público, com dano à administração pública, com pena de 2 a 6 anos de reclusão e multa.

A PUC-GO informou que também possui um processo administrativo em andamento. Segundo a vice-reitora, se comprovado o crime, os estudantes de medicina podem ser expulsos da instituição.

A universidade informou que o cronograma deste processo seletivo segue em andamento para não prejudicar os 7 mil inscritos.  Além disso, candidatos que estejam comprovadamente envolvidos com tentativas de fraude serão desclassificados e responderão administrativa e criminalmente.

 

Estudantes se concentram na porta da área I da PUC-GO antes da abertura dos portoes em Goiânia. (Foto: Gabriela Lima/ G1)

Paula Resende

Do G1 GO

 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário