19/04/2013 - Jurada do conselho de sentença de Bruno é presa por suspeita de tráfico

 

No bar em que mulher trabalhava foram encontrados pinos com cocaína.
Goleiro foi condenado a 22 anos e três meses pela morte de Eliza Samudio.

 

Uma jurada que participou do conselho de sentença do goleiro Bruno foi presa por suspeita de tráfico de drogas em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O crime foi no dia 5 de abril no bairro Jardim Industrial. Bruno foi condenado no dia 8 de março a 22 anos e três meses de prisão pelos crimes de homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado de Eliza Samudio.

De acordo com a Polícia Militar (PM), após uma denúncia anônima, militares chegaram até o bar onde a mulher trabalhava. Em uma geladeira, foram encontrados seis pinos com cocaína e uma lista com nomes de supostos devedores.

 

 

Também foram apreendidos R$ 527. O boletim de ocorrência foi registrado, de acordo com a PM, como tráfico de drogas e ela foi encaminhada para a delegacia de Contagem. Segundo a Polícia Civil, não foi encontrada droga com a mulher e, por isso, não foi feito o flagrante. Ela foi ouvida e liberada.

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou que a suspeita participou como jurada do julgamento de Bruno e Dayanne Rodrigues, que foi absolvida das acusações de sequestro e cárcere privado do bebê. O órgão e o Ministério Público Estadual (MPE) informaram que, na época do julgamento, ela não possuía antecedentes criminais.

Um dos advogados do goleiro Bruno, Tiago Lenoir, disse nesta quinta-feira (18) ao G1 que espera as investigações para saber se vai tomar alguma decisão em relação ao júri. “A defesa está aguardando a Policia Civil e o Ministério Público investigar sobre esse fato e ver se vamos tomar alguma medida. Não tem como saber se na época do júri ela estava envolvida com o crime”, disse.

Segundo a Polícia Civil, um inquérito foi aberto, e a mulher está sendo investigada. De acordo com o MPE, somente após o término das apurações a Promotoria vai se manifestar sobre o caso.

Mais tempo em regime fechado
A juíza Marixa Fabiane Rodrigues Lopes, do 1º Tribunal do Júri de Contagem (MG), corrigiu o tempo em que o goleiro Bruno deverá permanecer em regime fechado, aumentando o período em 9 meses e 15 dias. A informação foi confirmada ao G1 nesta quarta-feira (3) pelo promotor Henry Wagner Vasconcelos.

Segundo o Tribunal de Justiça de Minas Gerais, em decisão do dia 26 de março, a juíza considerou que a sentença condenatória de Bruno omitiu o regime de cumprimento do total da pena. Isso porque o cálculo de progressão de regime para o semiaberto deve considerar os 22 anos e 3 meses de prisão, que é a totalização da pena pelo assassinato de Eliza Samudio e a ocultação de cadáver e o sequestro do filho, Bruninho.

A sentença proferida em 8 de março estipulava um regime inicialmente fechado para a pena de 17 anos e 6 meses, referente ao homicídio, e regime aberto para as penas de 3 anos e 3 meses (sequestro e cárcere) e de 1 ano e 6 meses (ocultação de cadáver).

O TJ não confirmou o tempo de aumento do regime fechado por considerar que o cálculo será feito ao término dos prazos para recursos e porque a progressão da pena é analisada pela Vara de Execuções, que vai considerar ainda outros aspectos, que são tempo de trabalho na prisão e bom comportamento.

Eliza Samúdio, ex do goleiro Bruno, desapareceu há mais de dois anos; relembre detalhes do caso (Foto: Rede Globo)Certidão atesta morte de Eliza Samudio, mas corpo
não foi encontrado (Foto: Reprodução/ TV Globo)

O caso
Eliza desapareceu em 2010 e seu corpo nunca foi achado. Ela tinha 25 anos e era mãe do filho recém-nascido do goleiro Bruno, de quem foi amante. Na época, o jogador era titular do Flamengo e não reconhecia a paternidade.

Em março deste ano, Bruno foi considerado culpado pelo homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado da jovem. A ex-mulher do atleta, Dayanne Rodrigues, foi julgada na mesma ocasião, mas foi inocentada pelo conselho de sentença. Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, amigo de Bruno, e Fernanda Gomes de Castro, ex-namorada do atleta, já haviam sido condenados em novembro de 2012.


No dia 22 de abril, o ex-policial Marcos Aparecido dos Santo, o Bola será julgado. Em 15 de maio, enfrentarão júri Elenílson Vitor da Silva, caseiro do sítio, e Wemerson Marques de Souza, amigo do goleiro. Sérgio Rosa Sales, primo de Bruno, foi morto a tiros em agosto de 2012. Outro suspeito, Flávio Caetano Araújo, que chegou a ser indiciado, foi absolvido.

Jorge Luiz Rosa, outro primo do goleiro, que era menor de idade na época da morte, cumpriu medida socioeducativa por crimes similares a homicídio e sequestro. Atualmente tem 19 anos e é considerado testemunha-chave do caso.

Do G1 MG

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário