19/07/2014 - Levantamento foi feito pelo Vox Populi com mil eleitores de Mato Grosso

O senador Pedro Taques (PDT) lidera a corrida ao Governo do Estado com 43% das intenções de voto.

Ele é seguido pelo deputado estadual José Riva (PSD), com 18%, e pelo médico Lúdio Cabral, com 12%. José Roberto (Psol) tem 3%  e o jornalista José Marcondes, o Muvuca (PHS), aparece com 1%.

Os eleitores que disseram não votar em nenhum dos candidatos ou nulo e branco totalizam 8%. Quinze por cento não souberam ou não responderam.

A pesquisa foi realizada entre os dias 11 e 15 de julho ouvindo mil eleitores da Capital e do interior. A margem de erro é de 3,1 pontos percentuais para mais ou para menos.

Taques também lidera na pesquisa espontânea, em que o eleitor é instado a responder em quem votaria se a eleição fosse hoje.

Oito por cento disseram votar no pedetista. O senador Blairo Maggi (PR), que não vai disputar o pleito, foi lembrado por 3% das pessoas entrevistadas.

José Riva tem 2% das citações, assim como Lúdio Cabral. Outros nomes citados totalizaram, juntos, 2%. Seis por cento disseram não votar em ninguém, em branco ou nulo. Um total de 77% não soube ou não respondeu.

O deputado Riva tem 37% de rejeição, seguido por Muvuca (8%), Lúdio Cabral (5%) e Pedro Taques (4%). Com 3%, o candidato do Psol tem o menor índice de rejeição.

Segundo turno

O Vox Populi testou dois cenários na modalidade estimulada para o caso de um eventual segundo turno, ambos com a presença de Pedro Taques.

Tendo Lúdio Cabral como adversário, o senador venceria com 54% dos votos contra 17% do petista. Nove por cento disseram votar em ninguém, em branco ou nulo. Outros 20% não souberam ou não responderam.

Num cenário em que o adversário de Taques é José Riva, a disputa se torna um pouco mais difícil, embora ainda com ampla vantagem para o senador. Neste caso, ele venceria por 51% a 21%. Onze por cento disseram que não votariam em ninguém, em branco ou nulo e dezessete por cento não souberam ou não responderam.

A pesquisa está registrada junto à Justiça Eleitoral sob o protocolo 00025/2014.

 

 

Escrito por redação MídiaNews

Comentários