19/08/2014 - Riva lembra atuação independente na AL em relação ao Governo

O candidato a governador pela coligação "Viva Mato Grosso", José Riva (PSD), reafirmou esta noite (18), em entrevista, sua atuação independente na Assembleia Legislativa em relação ao governo do Estado. "Quem buscar minhas ações do Poder Legislativo e a atuação parlamentar vai ver que fui um dos deputados mais independentes ao longo dos últimos dois anos", disse no programa MTTV Segunda edição, exibido pela TV Centro América, afiliada da Rede Globo em Mato Grosso.
 
De acordo com Riva, todas as ações em prol do Estado sempre tiveram o seu apoio, mas também criticou quando foi necessário. "Apoiei os governos Dante de Oliveira (PSDB) e Blairo Maggi (PR), além das boas iniciativas do governador Silval Barbosa (PMDB), mas sempre fui crítico quando achei que deveria ser. Acho que este Estado pode oferecer ao nosso cidadão melhores condições de vida a partir de algumas decisões e gestão diferente que pretendemos implantar", argumentou, após ser questionado sobre sua relação com o governo do Estado.
 
Várias vezes, da tribuna da Assembleia Legislativa, Riva disse que era importante não confundir apoio à governabilidade com subserviência. Por isso, fazia os apontamentos necessários para contribuir com a administração estadual.
 
Riva argumentou que os partidos são independentes o PSD decidiu pela sua candidatura na última semana, antes das convenções partidárias.  
 
Sobre a implementação da carreira única no Estado, caso seja eleito, Riva argumentou que vai promover uma ampla discussão com os servidores públicos. "Ninguém vai enfiar nada goela abaixo. Tudo que fizermos será conversado com os servidores para corrigir distorções das carreiras existentes atualmente. Não podemos permitir que as carreiras de servidor, como exemplo, na Secretaria de Educação e Saúde, sejam pagos de forma diferenciada, devemos uniformizar e, depois, implementar a carreira única", explicou.
 
Quanto ao indeferimento do registro de candidatura no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Riva reiterou que acredita na reversão do quadro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). "Fizemos consultas antes do período eleitoral, o entendimento preponderante é pelo registro, já que não constam requisitos de ilegibilidade que é dolo, enriquecimento ilícito e prejuízo ao erário".

 

 

Redação 24 Horas News
 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário