19/12/2015 - Polícia tenta prender bando que movimentou R$ 1,6 mi em 2 meses

19/12/2015 - Polícia tenta prender bando que movimentou R$ 1,6 mi em 2 meses

Vinte e três pessoas, que faziam parte de uma organização criminosa, são procuradas na operação 'Mercatore', da Polícia Civil, na manhã desta sexta-feira (18), em Cuiabá e Várzea Grande, região metropolitana da capital. De acordo com a Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf), o grupo teria 'movimentado' R$ 1,6 milhão no período de 60 dias. A polícia diz que a quadrilha seria responsável por 90% dos roubos em Cuiabá.

"Trata-se de uma organização criminosa que se dedica a prática de lavagem de dinheiro, roubos, furtos, receptação qualificada, estelionato, corrupção", citou a delegada da Derf, Elaine Fernandes da Silva.

Segundo a polícia, devem ser cumpridos 11 mandados de prisão preventiva, 12 conduções coercitivas para interrogatórios e 34 buscas e apreensão. Os policiais percorrem casas e empresas de Cuiabá e Várzea Grande e contam com o auxílio do helicóptero do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer). As investigações começaram há um ano e as ordens judiciais foram expedidas pela Vara do Crime Organizado de Cuiabá.

Entre os mandados que foram cumpridos, a polícia apreendeu materiais e produtos de duas lojas noShopping Popular de Cuiabá, localizado no Bairro Dom Aquino, na capital. O proprietário dessas duas lojas foi preso. De acordo com a polícia, essas lojas fariam parte do esquema da quadrilha, 'esquentando' produtos e trocando etiquetas, diretamente praticando lavagem de dinheiro.

A operação conta com delegacias e policiais de Cuiabá, Várzea Grande, Santo Antônio do Leverger (cidade a 35 km da capital), Chapada dos Guimarães (distante 65km de Cuiabá) e Delegacia de Rosário Oeste (cidade que fica a 133 km da capital). Conforme a polícia,

Conforme a polícia, a palavra 'Mercatore' vem do Italiano e significa comerciante, mercancia, aquele que media e age como intercessor, traficante.

 

 

G1/MT

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário